UM POUCO DE NOSSA LOJA

Novo espaço Rodociclo para 2014!

quarta-feira, 29 de outubro de 2014

PRODUTO EM DESTAQUE: LINHA KCNC RENOVADA NA RODOCICLO

A linha KCNC sempre foi conhecida no mercado pela beleza e principalmente leveza dos seus produtos. Especialistas no uso de alumínio anodizado e suas ligas, em especial, o Scandium, esta marca é uma das mais conhecidas, entre tantos outros fabricantes. Com uma gama de produtos ampla, os mais itens mais procurados são os acessórios e componentes que podem contribuir com a redução de peso, além, claro de agregar um colorido especial à bicicleta. 

Guidões, bar hand's, blocagens, abraçadeiras, manoplas, jogos de direção, kit's de freios e canotes são as peças mais procuradas, além, claro dos parafusos anodizados e niples, que possuem uma função mais voltada ao lado estético. Para completar a linha, chegaram as novas engrenagens em alumínio CNC com destaque para as novas engrenagens ovais, destinadas ao ciclismo de estrada. 



Muito usadas em bikes de triathlon e contra-relógio, elas aproveitam os pontos de inércia do pedivela para imprimir uma aceleração melhor a cada rotação do pedivela, um conceito antigo, mas que permanece até os dias de hoje. Quem nunca ouviu falar do sistema "biopace", criado pela Shimano nos anos 90? Hoje, alguns estudos chegam a apontar ganhos de 5% no rendimento com o uso dessas engrenagens, eliminando o ponto morto da pedalada, mas seu uso está mais voltado ao CRI. 

Bons pedais aos nossos leitores!

Equipe Rodociclo



quarta-feira, 22 de outubro de 2014

PRODUTOS EM DESTAQUE NA RODOCICLO. CONFIRA!

Todas as semanas, os clientes cadastrados da Rodociclo recebem um newsletter com as novidades e promoções. Normalmente, são escolhidos produtos por segmento, linhas em promoção, marcas em destaque ou novidades que chegam à loja. Normalmente, ou o preço ou as condições de parcelamento são facilitados nos produtos em destaque. 

Recentemente, tivemos a Brasil Cycle Fair e nela, tivemos a oportunidade de efetuar vários pedidos, com ótimas condições e preços junto aos principais fornecedores das principais marcas disponíveis. 

Desta forma, resolvemos compartilhar com nossos leitores um pouco das imagens desta feira, assim como o resultado dela. Além das promoções, sempre fazemos a divulgação de algum passeio ou evento esportivo relacionado à bike, que além do nosso Blog, são uma forma de incentivar o esporte e atrair mais ciclistas e usuários da bike de uma forma geral, promovendo maior interação entre eles. 



Equipe Rodociclo

domingo, 19 de outubro de 2014

DE BICICLETARIA A BIKE SHOP, UM MUNDO ALÉM DOS SEUS OLHOS.


A bicicleta é, sem dúvida, um dos maiores inventos da história da humanidade. No entanto, com a popularização dos veículos automotores, pelo menos em nosso país, ela foi relegada a um plano inferior. Sonho de todo o menino, que quando adulto projeta no carro um símbolo do seu sucesso pessoal e profissional, as "magrelas" tornam-se apenas mais um objeto que fica guardado na garagem e é lembrado com saudade pelos seus donos. Daí vem a famosa frase: "Quando eu era mais novo, eu pedalava muito!" 



Esse comportamento também se refletiu nas empresas que trabalhavam com manutenção. As populares "bicicletarias", atendiam normalmente o público do bairro, aquele senhor que usa sua bike para ir trabalhar, ir na padaria ou aquele garotinho que furou um pneu, quer um acessório, entre tantas outras demandas de menor vulto. Só que lá fora, no Velho Mundo, onde o ciclismo nasceu e é popular, onde a bicicleta é levada a sério e incorpora à vida do cidadão e de toda a sua família, a tenologia e a diversidade criaram um novo conceito em termos de lojas, que aos poucos vem se tornando mais popular no Brasil : o da Bike Shop.



A Bike Shop é mais moderna, com departamentos, vitrines, expositores. Uma loja que comercializa bicicletas, peças e acessórios, também presta assistência técnica, porém, atuando de forma muito mais ampla, com uma gama maior de produtos e serviços diferenciados, espaço mais amplo, que fazem com que ela se aproxime de uma loja de shopping mesmo, onde você encontra profissionais em diversos níveis, que irão lhe orientar na hora da compra ou contratação de um serviço.



A bike shop foge daquele conceito de bairro e, onde o trabalho quase sempre é artesanal e prestado diretamente pelo proprietário, entrando em um mundo mais amplo, muito próximo daquele que é vivenciado por qualquer empresa moderna. O trabalho é levado de forma mais técnica e o conhecimento necessário para atender uma clientela mais exigente é maior, o manuseio de materiais nobres e específicos exige experiência e, como toda empresa, a organização interna depende do trabalho de vários profissionais, em vários níveis, que nem sempre serão o atendente ou o mecânico que você está habituado a ver em uma bicicletaria.



Como toda empresa, existe um setor que trata de questões de cunho burocrático, como financeiro, contas a pagar, pedidos, contatos com fornecedores, garantias. O recebimento de mercadorias e toda a sua rotina recebem uma atenção especial. A oficina, mais ampla, exige um ferramental apropriado e que os materiais usados estejam sempre a disposição, pois o trabalho de vários mecânicos não pode ser interrompido e depende de toda uma estrutura que deve ser oferecida a eles.



Meu trabalho em uma Bike Shop, por exemplo, é alvo de questionamentos quase que diários. Os amigos agora já sabem, mas volta e meia uma pessoa que sabe que trabalho em uma loja de bicicletas me pergunta: "Se tu não e mecânico e nem vendedor, o que tu faz la mesmo?" Mas basta você chegar aqui na loja para perceber que, por trás de cada vitrine, de cada departamento, existe um trabalho silencioso acontecendo, para que você seja sempre bem atendido e se sinta à vontade quando vier até a loja. Este é o objetivo: deixar o cliente à vontade. E diante da grande variedade que trabalhamos, manter os dois andares de loja mais a oficina sempre funcionando não são uma tarefa fácil.



Por ser uma empresa de pequeno porte, mas ainda assim, uma empresa, fora mecânicos e vendedores, nem sempre podemos ter uma função específica. Temos uma pessoa que cuida do caixa e do vestuário. Temos pessoas envolvidas no trato administrativo. Como trabalhamos com muitos produtos importados, os fornecedores normalmente encontram-se em outros estados e diante da variedade de produtos que são comercializados, comprar nem sempre é uma tarefa fácil. Há algum tempo, fizemos um inventário interno que catalogou mais de 12 mil itens, desde vestuário, bicicletas, peças para montagem e itens de oficina, como parafusos e arruelas de vários tamanhos. Só pneus, eram "apenas" 127 modelos!



Manter essa demanda atualizada, catalogada e organizada não é fácil. A comercialização de alguns componentes depende de outros. Não se vende cassete de 9 velocidades sem corrente. Pneus precisam de câmaras. Quadros precisam de garfos e suspensões, movimentos centrais, de direção, muitos dos quais específicos. Inciado o processo de compra, vem toda a negociação com o fornecedor, pesquisa de preços, frete, impostos, alguns pagos antecipadamente e também a parte contábil e fiscal, que se não tratada da forma correta, pode acarretar prejuízos para a empresa. Tudo para que a mercadoria chegue a você em condições e com a garantia do melhor preço!



Quando a mercadoria chega (às vezes chega tudo junto), é aquela correria. Conferir, fazer preço, organizar as notas fiscais, boletos (porque além de vender, temos que pagar as contas), colocar a mercadoria no sistema, etiquetar com preços, expor na loja e armazenar. Tudo isso está ocorrendo enquanto você está namorando as vitrines e saboreando o incomparável café da nossa colega Fátima, que trabalha atendendo, repondo vestuário e cuidando de pequenos detalhes nas vitrines.



Os vendedores têm que solicitar as mercadorias e repor as mesmas nas vitrines, pois eles, melhor que ninguém, têm conhecimento e bom gosto para isso. Apaixonados por bike, cada um transmite na hora da venda a sua percepção prática do mundo da bike. Alguns andam de speed, outros, na trilha, outros em longa distância. Às vezes um ajuda o outro e na troca de experiências, quem ganha é o cliente.



Além da excelência no atendimento, um dos focos da nossa loja sempre foi a variedade. Ao invés de trabalhar com algumas marcas fechadas, como uma grife, a proposta é, justamente variedade, confrontar a marca, a qualidade e o preço de cada produto diante do cliente. Cada produto tem seu valor, seu diferencial e o cliente é que escolhe, sempre orientado pelo vendedor, o melhor produto para as suas necessidades.


Oficina qualificada é outra necessidade. Os mecânicos mexem em bicicletas de R$ 600,00 até mais de 20 mil... Peças importadas, exclusivas, onde não pode haver dúvida ou erro. Por isso, o constante investimento em treinamento, especialmente para a linha Shimano, cuja loja representa através do nome "Service Center". Trabalhar com marcas como Specialized também é um diferencial que exige muito. Conhecer o conceito da marca, estar por dentro das novidades, atualizações e tendências e fundamental. E no segmento de bicicletas, diante de toda a variedade de produtos e informações, só vende quem conhece.



Fora isso, existem todo um trabalho de relacionamento com o consumidor pela mídia. Internet, facebook, webpage, e-mail, mídias sociais, publicidade em geral são pontos preponderantes para que a merca se torne conhecida e popular. Esse trabalho todo, somado à parceria constante com marcas de vanguarda, conceituadas pelo cliente, são a melhor receita para o sucesso.



Então, quando você entrar na nossa loja e não ver aquela pessoa que você conhece, mesmo que ela não esteja ali para lhe atender, tenha certeza que pelo menos uma parte do trabalho dela estará ali. Em tudo é assim. Afinal, "nem sempre o essencial é visível aos olhos"...



As fotos desta postagem ilustram bem este pensamento. Em meio às fotos da Brasil Cycle Fair, algumas imagens aqui da nossa loja. Fotos sem pose, sem nenhum tratamento, que refletem o trabalho diário da nossa equipe e também alguns momentos de lazer.



*Nestes dias que o Blog esteve sem postagens, estávamos recebendo os pedidos da Brasil Cycle Fair 2014. Foram muitos pedidos e novidades. Novas linhas Shimano, muitas peças coloridas da MOB, novas bikes da Specialized 2015, pneus Maxxis, Schwalbe e Continental, novos quadros da Mosso, muitas linhas novas de vestuário, sapatilhas em promoção (linha Scott), os coloridos leves da linha KCNC, bicicletas fixas multicoloridas, além de uma infinidade de peças de montagem, como manoplas, selins das mais diversas marcas, guidões, avanços entre outros. Nos visite e confira!

Equipe Rodociclo

segunda-feira, 29 de setembro de 2014

Michal Kwiatkowski é o novo campeão mundial de ciclismo 2014



Michal Kwiatkowski é o novo Campeão mundial de ciclismo 2014. O jovem ciclista polonês, de apenas 24 anos, que vive um ótimo momento em sua carreira, deu ao seu país a primeira vitória em mundiais. O forte trabalho da seleção polonesa foi preponderante para a vitória, sempre imprimindo um ritmo forte no pelotão.

Já na parte final da prova, o pelotão trabalhou forte e neutralizou um grupo de quatro ciclistas escapados, momento quem que Kwiatkowski atacou e partiu rumo à meta. No pelotão, novo ataque de um grupo que contava com nomes como Gilbert, Gerrans, Valverde e Van Avermaet tenta buscar o polonês, deixando nas mãos de Phillipe a maior parte do esforço, que não foi suficiente para alcançar Michal. Com isso, o pódio acabou formado por Kwiatkowski, Gerrans e Valverde, que pela sexta vez em sua carreira chega ao pódio do Mundial. 



No Feminino, Pauline Ferrand-Prevot venceu a prova com pouco mais de 127 km, que foi decidida no Sprint, ficando a alemã Lisa Brennauer e a sueca Emma Johansson com o segundo e terceiro lugares, respectivamente. 



Parabéns a todos os ciclistas que lutaram por seus países no Mundial. Vencendo ou não, é uma grande honra alinhar ao lado dos melhores do mundo, sendo que, ao longo dos próximos doze meses, os vencedores poderão vestir as cores do arco-íris, que representa, em cada modalidade, o Campeão Mundial de Ciclismo. 

Boa semana aos nossos leitores. Em breve, as novidades da Brasil Cycle Fair 2014, mostrando a você as novas tendências do mercado nacional e mundial, além das novidades para 2015 que você encontrará aqui na Rodociclo

Equipe Rodociclo

quinta-feira, 25 de setembro de 2014

MUNDIAL DE PONFERRADA: BRADLEY WIGGINS É CAMPEÃO MUNDIAL DE CONTRA-RELÓGIO


O a temporada de 2014 não foi das melhores para o campeão do Tour de France de 2012, Bradley Wiggins. Devido aos privilégios dados a Froome, grande estrela da equipe este ano após faturar o Tour de France de 2013, Mr. Wiggins estava relegado a um segundo plano, participando de provas menores. Entre seus grandes feitos este ano, esteve o título nacional de Contra-Relógio e a vitória na geral do Tour da Califórnia. Aos 34 anos, o britânico chegou a cogitar abandonar o ciclismo de estrada e voltar para a pista, que lhe rendeu medalhas olímpicas e lhe deu muita notoriedade antes que se voltasse para a estrada, mudando seu biotipo e forma de pedalar para competir nas grandes voltas, onde demonstrou ser um ciclista promissor, até atingir seu maior feito, o Tour de 2012.

Na prova de hoje, uma das principais do Mundial de ciclismo, onde seria definido o Campeão Mundial de Contra-Relógio na categoria Elite, muitos nomes eram cogitados, mas certamente o grande favorito era Tony Martin, que havia vencido os últimos três mundiais e deu vários shows em outras competições ao longo do ano sempre mostrando-se muito mais forte que os demais competidores da modalidade. Mas para quem conhece e acompanhou a carreira do britânico, Campeão Olímpico de 2012, o resultado obtido por Wiggins não é tão surpreendente assim, embora represente a quebra da hegemonia de um grande campeão, que veio a desbancar Fabian Cancellara, um dos maiores contra-relojistas dos últimos anos, que não esteve presente na prova de hoje. Este ano, Cancellara está focado na prova de estrada do Mundial, um dos poucos títulos que faltam na sua coleção, que inclui vitórias nas maiores Clássicas do ciclismo, além de etapas em grandes voltas, campeonatos mundiais e olímpico de CRI.

Foi neste cenário, andando com média superior aos 50 km/h e finalizando com vantagem de pouco mais de 26 segundos para o alemão, até então favorito, que o britânico assumiu a liderança na metade da prova em diante para então só ampliar sua vantagem sobre Tony Martin, que ficou com a prata, tendo o holandês Tom Dumoulin ficado com o bronze.

Segundo Wiggins, este será seu último mundial, no qual ele se despede de forma muito especial e agora, terá um ano para vestir as cores do arco-íris, que o coroam como campeão do mundo de CRI.



Mas se a Alemanha ficou com a prata na Elite Masculina, a Elite Feminina e a Junior foram ouro. Lennard Kamna (junior), atual campeão europeu na modalidade, fez uma bela apresentação, com média em torno dos 48 km/h e para muitos, é cotado como sucessor de Tony Martin na modalidade. Na elite feminina, Lisa Brennauer também foi ouro. No sub 23, o australiano Campbell Flakemore levou a melhor. Ainda para a Austrália, Macey Stewart venceu a Junior Feminino. No mundial para equipes, quem surpreendeu foi a BMC, deixando para trás as favoritas OmegaPharma-QuickStep e Orica-GreeEdge.




Chamamos a atenção para a roda da marca PRO 3-Spoke, lançada este ano pela marca parceira da Shimano para testes pela equipe Sky durante a Volta da Espenha, que ocorreu mês passado. Foi com ela que Bradley Wiggins venceu o mundial de CRI, a bordo de uma bicicleta da marca Pinarello.

Ainda restam os resultados das provas de estrada. Normalmente, estas provas são muito duras, com uma disputa muito acirrada pelo pódio. Ficamos na expectativa de conhecer o grande Campeão Mundial de Estrada 2014.

Equipe Rodociclo. 

quinta-feira, 18 de setembro de 2014

JENS VOIGT ENCERRA CARREIRA COM RECORDE MUNDIAL DA HORA



Ninguém seria louco de duvidar que hoje seria estabelecido um novo recorde da hora. Afinal, era um desafio bem dentro do perfil de Jens Voigt e de tudo que ele representou ao longo de sua vitoriosa carreira. Então, muitos irão perguntar pelos seus triunfos. Não venceu nenhuma grande volta, começou tardiamente no ciclismo, aos 23 anos. Mesmo assim, sempre foi um dos ciclistas mais populares e também combativos de todo o pelotão. Em 20 anos de carreira, foram 17 participações em Tour de France, onde usou a camisa amarela por duas vezes e teve num 28º lugar sua melhor colocação. Ainda assim, ele próprio contabiliza que deve ter rodado mais de 850 mil km ao longo da sua vida de atleta. Mas, se não era tão amigo das montanhas, as fugas eram verdadeiramente "seu chão". Estava em todas, sempre tentando, sempre andando na frente. E convenhamos, encerrar a carreira aos 43 anos, andando forte entre os profissionais da elite mundial não é para qualquer um. 



Voigt vinha competindo pela Trek Factory Racing, uma equipe patrocinada pela Trek, que lhe presenteou com uma bicicleta personalizada, com a qual correu suas últimas provas, assim como desenvolveu uma bicicleta especialmente para a tentativa de bater o recorde mundial, que ocorreu hoje. No entanto, cabe salientar que existem dois recordes: um nas normas da UCI e outro com bicicletas não regulamentadas, onde a melhor marca que se tem conhecimento é de 56,375kmm estabelecida pelo britânco Chris Boardman em 1996 e outro, válido pela UCI, cuja a melhor marca pertencia a Ondrej Sosenka (49,7 km percorridos em uma hora). E seria este último que o alemão iria tentar quebrar hoje. 




E foi com o mesmo espírito que sempre arriscou tudo para lograr êxito em uma fuga que Jens Voigt largou hoje, no velódromo de Grenchen, na Suíça. Começou andando forte e depois, foi administrando para então, nos 20 minutos finais, eufórico por saber que estava com vantagem, dar tudo e andar no limite, como fez a vida inteira, despedindo-se assim, do ciclismo profissional com um novo recorde da hora estabelecido: 51,115 km! 


Curiosamente, entre os preparativos para o dia de hoje, que marcaria de forma memorável sua carreira e sua vida, destaca-se a escolha da trilha sonora que acompanharia Voigt, que completou 43 anos na véspera da tentativa: muito Rock and Rool e Heavy metal, de AC/DC a Metallica, terminando com “Final Countdown”, em um mix que incluiu, entre outros, Black Sabbath, Ugly Kid Joe, Air Supply, REO Speedwagon e Bryan Adams. Agora é a vez do ciclista dedicar-se à família e aos seis filhos. Questionado se poderia voltar a competir, como quis fazer Armstrong, por exemplo, Voigt foi taxativo em afirmar que "acabou"!


Espera-se que em uma ocasião futura, especialistas como Fabian Cancellara, Bradley Wiggins ou Tony Martin sejam os próximos a tentar. Donos de marcas históricas e recordes no contra-relógio, eles têm tudo para estabelecer marcas ainda maiores e também entrar para a história, como  ocorreu com Eddy Merckx, Graeme Obree (do filme "O Escocês Voador"), Miguel Indurain, Tony Rominger e, por fim, com o próprio Jens Voigt, que encerra a carreira com um grande feito e o legado de um atleta ético, profissional e dono de uma carreira brilhante! Voigt deixa a estada, mas entra para a história do esporte que foi sua paixão e sua vida!

Equipe Rodociclo

quarta-feira, 17 de setembro de 2014

ALBERTO CONTADOR FATURA A VOLTA DA ESPANHA 2014, ENQUANTO VOIGHT TENTA RECORDE DA HORA ÀS VÉSPERAS DO MUNDIAL.



O título desta postagem relata uma notícia que com menos de uma semana, já ficou, digamos, "velha". Outros acontecimentos importantes no esporte nos próximos dias e deverão figurar em destaque nas manchetes. Mesmo assim, Alberto Contador ainda revive a glória da sua conquista, enquanto aproveita seus momentos de fama para prospectar seus resultados futuros e descansar. Ele que chegou a ser criticado na temporada passada por Oleg Tinkov (dono da equipe e seu patrocinador), agora é visto como um herói, talvez não pelo seu feito em si, ainda que memorável, mas por causa da forma como foi conquistado. Recuperando-se de forma precoce de uma lesão séria, que normalmente deveria mantê-lo fora das competições por um bom tempo e superando muitos limites, alguns estabelecidos pelos próprios médicos do atleta. 



Quem acompanha as provas de ciclismo, de certa forma, já sabia com antecedência o que aconteceria e como aconteceria (e aconteceu mesmo), nesta edição de 2014 da Volta da Espanha. E o ciclista que talvez fosse a maior incógnita quando o pelotão alinhou no primeiro dia, etapa após etapa foi se consolidando como o mais preparado para vestir, definitivamente, a camisa vermelha. Nós acompanhamos através de resumos informativos os momentos mais decisivos da prova, sendo que mal acabou a Vuelta, e todos os olhos já estão se voltando para o Mundial de ciclismo, que está às vésperas de ocorrer. 



Entre essa maratona de competições importantes, amanhã o alemão Jens Voigt tentará uma façanha que pode colocar seu nome na história do esporte. Ele deve tentar quebrar o recorde da hora, que atualmente pertence ao tcheco Ondrej Sosenka (49,7 km percorridos em uma hora). Voigt, que recentemente anunciou que está deixando o pelotão profissional, embora esteja ainda em grande forma, quer aproveitar o momento para encerrar sua carreira em grande estilo. Se conseguir estabelecer um novo recorde, fechará com chave de ouro seus anos de participação no pelotão profissional, onde mesmo aos 43 anos, ainda esbanja força e estilo, sendo conhecido como um dos mais combativos de todos. Dono de uma passada forte e um estilo ofensivo, o alemão quer deixar as competições enquanto ainda está em boa forma. Tanto sua despedida, como a tentativa de quebra do recorde da hora foram marcadas por bikes personalizadas, que seu patrocinador (Trek) preparou exclusivamente para estes momentos da carreira deste grande ciclista. Para quem desejar acompanhar, a UCI deve transmitir a tentativa da quebra do recorde, que deverá ser às 14 horas (horário de Brasília).

Já Contador, que deu a Specialized mais um grande título ao vencer a Volta da Espanha, declarou que não ira ao mundial, pois precisa descansar e deve voltar às provas em outubro, já tendo definido no seu calendário as provas que irá participar. De 21 a 28 deste mês, ocorrem as provas do Mundial de ciclismo (estrada e CRI), que serão realizadas em Ponferrada na Espanha. Lá, os melhores nomes do contra-relógio e das provas de estrada estarão presentes, dando tudo de si em busca do sonho da camisa com as cores do arco-íris, que simboliza o campeão mundial durante um ano, além de escrever seu nome na seleta lista de campeões, que é alimentada ao longo de décadas. 



É certo que hoje, talvez não seja mais tão "fácil" (se é que um dia foi) ser um super-campeão. Com toda a tecnologia e toda a especialização do ciclismo, é difícil um atleta se manter na ponta por muito tempo. Avançar alguns segundos ou até mesmo décimos pode ser muito difícil. Sempre estão surgindo novos talentos e a tendência é que o esporte se renove de forma muito rápida. Mesmo assim, algumas afirmações do atual campeão da Volta da Espanha externaram o seu desejo de tentar vencer as três grandes voltas em um ano (em 2008, venceu na Itália e na Espanha). No entanto, das três, certamente a mais desejada será o Tour de France do ano que vem, para o qual o ciclista certamente fará uma preparação muito específica. 

Alberto Contador, hoje aos 31 anos, é um dos, senão o maior nome entre os ciclistas de grandes voltas. Dono de grande potencial aeróbico e muita desenvoltura em escaladas, é nas montanhas que mostra sua força, lançando ataques que quase sempre deixam os adversários para trás e lhe rendem boa vantagem e vitórias em etapas, além do título geral das provas que participa. Especialista no contra-relógio, sua regularidade em todas as situações faz com que ele seja favorito em qualquer prova com etapas que participe, especialmente se for longa e tiver muitas montanhas, como é o caso das Três Grandes Voltas. Alberto Contador ainda tem muito a oferecer ao ciclismo mundial. E surgirão muitos adversários que tentarão medir forças com ele, o que enriquece e engrandece o esporte. 



Parabéns a Alberto Contador pelos seus feitos. Não vamos desmerecer os demais ciclistas. Froome, Valverde e Joaquim Rodriguez fizeram ótimas temporadas também. Nossos cumprimentos a Nairo Quintana, que foi campeão do Giro e Nibali, que chegou a Paris vestindo amarelo. E o que mais nos deixa feliz nessa nova geração de campeões é que os escândalos de dopping têm se ausentado das manchetes. Mesmo que o passado tenha condenado (ou suspenso) muitos atletas, cada um pagou seu preço e hoje, acredita-se que estão limpos, ajudando assim a manter limpo o nome do esporte que representam. Aqui no Brasil, o ciclismo não é tão aplaudido como na Europa, onde divide espaço de igual para igual com o futebol. E cada atleta deveria ter claro na sua mente e na sua vida, que mais que uma carreira vitoriosa, os grandes campeões são ídolos, que têm um legado a deixar para gerações inteiras. Um legado que deveria começar sendo exemplo de ética e transparência. É para se pensar...

Equipe Rodociclo

sábado, 13 de setembro de 2014

VOLTA DA ESPANHA 2014: CONTADOR VENCE 20ª ETAPA E AMPLIA VANTAGEM.


Hoje aconteceu a penúltima etapa da Volta da Espanha. Como prevíamos, Contador não deu chances aos seus adversários e de quebra levou a etapa de hoje, com uma vantagem de 16 segundos sobre Froome, que ficou em segundo, seguido de Valverde, Rodriguez e Fábio Aru. 



Na 18ª etapa, Froome quase levou a vitória, mas acabou batido por Fábio Aru no final. Este, teve um ótimo ano, é considerado uma revelação no ciclismo e no futuro deve estar entre os nomes que disputarão a vitória das Grandes Voltas. O esforço de Froome o levou até a segunda colocação na geral, mas foi insuficiente para atingir seu maior objetivo que era ultrapassar o líder. Alberto Contador terminou o dia com vantagem de 1 min. e 18 seg. Chegou ao topo junto com Rodriguez e Valverde, marcando de perto seus principais adversários. 



A 19ª etapa, com perfil mais plano, foi vencida por Adam Hansen, que atacou no momento certo e deixou os sprinter's para trás ao lograr êxito em sua fuga, após longos 180,5 km de pedal. Era momento de apenas administrar a vantagem e deixar os velocistas fazerem seu trabalho. Hoje, seria a última chance de vencer Contador.



Em um esporte tão preciso e decidido por milésimos, o tempo de um minuto é um abismo quando se confrontam atletas, equipes e bikes de ponta, com um trabalho impecável, como é o caso da Astana e Sky. No entanto, Contador mostrou supremacia e já pode ser considerado o virtual Campeão desta edição da Vuelta, já que o curto contra-relógio de amanhã não será suficiente para compensar a grande diferença entre ele e Froome, em uma modalidade que o espanhol já mostrou estar em grande forma. Se confirmado o resultado, Contador será tricampeão da prova, logo que há algumas semanas era uma das maiores dúvidas, com poucas chances de participar ou brigar por uma vaga no pódio. 

Como em 2012, Contador correu com genialidade e estratégia, ao vencer uma das últimas etapas da competição, revertendo sua desvantagem e conquistando a liderança, após uma bem sucedida e inesperada fuga. 


Equipe Rodociclo

quarta-feira, 10 de setembro de 2014

VOLTA DA ESPANHA 2014: ALBERTO CONTADOR VENCE E LIDERA


A Volta da Espanha, em sua história recente, nunca foi cercada de tantas polêmicas como este ano. Talvez a presença de algumas estrelas que, em uma temporada normal, teoricamente não participariam da prova, esteja contribuindo para isto, fazendo com que todos os olhares e concentrem em nomes como como Contador e Froome, que já deveriam estar com suas temporadas ganhas com antecedência e por adversidades, quedas e lesões, acabaram fora do Tour de France, que segundo eles mesmo afirmavam, era o grande objetivo das suas temporadas.


Fora isso, surgiram outras polêmicas paralelas, como o suposto "dopping" das bikes da Garmin, também testemunhamos agressões trocadas por Gianluca Brambilla e Ivan Rovny diante das câmeras, que resultaram na expulsão de ambos da competição e por último, um dos gregários de Froome acusou Joaquim Rodriguez de tê-lo agredido durante a 15ª etapa, realizada no domingo. A queda de Quintana, que resultou em sua saída da competição, também foi negativa para o esporte, já que ele vive grande momento e representa a renovação de uma geração de ciclistas que possuem, pela sua tradição de resultados, o favoritismo em grandes voltas.

As dúvidas sobre o estado físico de Contador deixavam as portas abertas a Froome, pois teoricamente, o espanhol seria o único capaz de fazer frente ao capitão da Sky. Mas o que vimos na décima sexta etapa foi uma tentativa de Christopher Froome em diminuir sua vantagem, que acabou mal sucedida após o contra ataque de Alberto Contador, que não só venceu mas ampliou sua vantagem sobre os demais. Os 15 segundos sobre Froome não foram muito, se comparados ao golpe moral imposto justamente na chegada de uma das mais importantes etapas da competição.



Hoje, uma etapa plana e longa, com pouco mais de 190 km não deve alterar a classificação. Até sábado, quando teremos a última chegada em montanha (Puerto de Ancares), após 185,7 km bem sinuosos, poucas mudanças devem ocorrer na geral. Nesta etapa, todos os olhares deverão se voltar para os cinco primeiros na geral, pois será a última chance de atacar Contador. Se ele passar essa etapa mantendo a vantagem, dificilmente será batido no contra-relógio do domingo, pelo fato de ser curto demais para compensar uma grande diferença de tempo, além de ser uma modalidade que o espanhol domina muito bem.


Diante do atual cenário, as chances de Contador ser campeão são grandes. Logo ele, que até alguns dias antes da prova, dava certeza da sua ausência, entrou anunciando que batalharia apenas por uma vitória em etapa e por fim, despontou como grande favorito ao manter-se nas primeiras colocações e assumir a camisa vermelha de líder, mantendo-a mais do que isso, mostrando que é o mais forte da atualidade. A partir de agora, Contador só perde para ele mesmo!

OS DEZ PRIMEIROS DA CLASSIFICAÇÃO GERAL
1 – Alberto Contador Velasco (Esp) Tinkoff-Saxo 63:25:00
2 – Alejandro Valverde Belmonte (Esp) Movistar 00:01:36
3 – Christopher Froome (GBR) Team Sky 00:01:39
4 – Joaquin Rodriguez Oliver (Esp) Katusha 00:02:29
5 – Fabio Aru (Ita) Astana Pro Team 00:03:38
6 – Daniel Martin (Irl) Garmin Sharp 00:06:17
7 – Robert Gesink (Hol) Belkin Pro Cycling Team 00:06:43
8 – Samuel Sanchez (Esp) BMC 00:06:55
9 – Warren Barguil (Fra) Giant-Shimano 00:08:37
10 – Damiano Caruso (Ita) Cannondale 00:09:10

Equipe Rodociclo

domingo, 7 de setembro de 2014

PARA COMEÇAR BEM A SEMANA, PEDALE!


Se você está aqui lendo este texto, certamente, tem alguma coisa a ver com bike. Pedala de vez em quando, treina, compete, ou simplesmente é um daqueles apaixonados que gosta de estar por dentro do mundo das bikes. Você está vendo que estamos acompanhando a famosa Volta da Espanha, ou "Vuelta", como é chamada na sua terra. Hoje vamos narrá-la de outra forma. 


No segundo dia nas Astúrias, o polonês Przemyslaw Niemiec foi o vencedor. Ontém foi a vez de Ryder Hesjedal, que esteve envolvido na polêmica onde se acreditava que sua bike tinha motor. Logo ele, no dia seguinte, venceria a etapa... Será que tinha motor mesmo?... Contador segue defendendo sua liderança, seguido de perto (cada vez mais perto) por Valverde. Ontem Froome tentou, até que rendeu algum resultado, mas hoje não deu, perdeu tempo e parece que apenas dois nomes agora encabeçam a lista  real de favoritos. Mas tudo bem, ainda é cedo e muita coisa pode ainda acontecer. 


Lendas, mitos, verdades... Sabemos que um abismo nos separa destes ciclistas, capazes de esforços sobre humanos. Dopping? Quem sabe... Esperemos que não. Já foram muitas manchas ao nome do esporte e muitas carreiras destruídas. Já temos muitos pódios vazios, medalhas sem nome. Mas é fato que cada um deles nasceu com algo a mais, nasceram para estar entre os melhores e ali estão. E muita gente pergunta por que acompanhamos um esporte cuja realidade parece tão distante da nossa. O ciclismo é mesmo um esporte elitizado. Bom, aqui no nosso país mais ainda, já que se paga tanto imposto sobre a bicicleta e o esporte favorito é o futebol, bem mais popular e coletivo. Muitos sonham com a fama e a carreira milionária dos campos enquanto batem sua bola no quintal de casa. E nós? Bom, nós pedalamos! 


Muita gente treina. Aqui também temos nossos "super-ciclistas", que rodam, treinam, competem e o que é pior: não têm nem uma parte sequer do patrocínio e muito menos o reconhecimento de um Alberto Contador. Não são aplaudidos nas ruas, nem dão entrevistas. Não são polêmicos como Armstrong e nem geniais como Pantani. Correm anonimamente, montam equipes para ter carona, custeiam seus equipamentos, arriscam-se treinando de noite ou em estradas movimentadas de dia. Muitos têm trabalhos desgastantes, pesados, contas, compromissos, família e ainda assim, saem para rodar no fim do expediente. Outros, apenas usam a bike como meio de transporte. Mas "tá valendo". 


Muitos de nós sequer têm tempo para curtir nosso pedal, quem diria treinar. Mas ainda assim, as estrelas que hoje escreveram seu nome na história do esporte e sequer sabem da nossa existência são nossa referência. Queremos suas bikes, tentamos treinar como eles, usamos suas camisas, nos sentimos um pouco como eles quando estamos sobre a bike, curtindo os nossos 25 (?!?!?!?!) km/h de média. Tudo bem, faltou "pouco" para os 45 km/h deles, assim como sobraram alguns quilinhos a mais na balança. Mas o importante é que estamos ali. 


Hoje, antes de escrever este post, fui para o Bikemagazine ler o que havia acontecido ontem e hoje. O trabalho de sábado sempre é corrido. Hoje acordei tarde, tinha tarefas pessoais. No meio da tarde, depois de almoçar em casa, deixei a preguiça de lado e fui pedalar (já era tarde, passava das 15 horas). Na volta, mal alonguei, emendei uma janta, cinema (vai dizer, não e bom?) e aqui estou, em plena 01:18 de segunda me atualizando da Vuelta e escrevendo para você ler!


Mas eu estou feliz, começarei bem a semana porque pedalei. Foram 97 km, média de 23 km/h. Foi bom para a minha realidade. Até peguei umas subidas, para me sentir um pouco como Valverde, Froome ou Contador, mas estava de mountain bike, bem mais apropriada para os desvios urbanos aqui de Canoas, bem mais confortável e segura caso chovesse (o dia estava fechado e lá em cima chove mais que aqui). Um grupo Deore LX, antigo mas funcional, um quadro bem pesado de alumínio, um par de pneus meio gastos, mas que ainda rodam, um "mandolate Da Colônia" comprado em Ivoti (esqueci o gel energético). É assim a vida de muitos ciclistas anônimos. A multidão estava lá, ocupando as ruas diante do Parque de Exposições em Esteio. Mas não era para mim. Centenas de pessoas esperavam na fila para entrar no parque e eu passei despercebido por todos, pedalando entre os carros. Com a BR-116 cheia, sempre é preciso cautela, mas depois tudo ficou bem. Cheiro de mato, flores, primavera, subidas.. O vento ajudou na ida e na volta. Muitos passeando de carro e eu ali, de bike. 

Você não precisa sair de casa de madrugada, nem treinar como os profissionais, ter a bike que eles têm. Mas pode se permitir o conforto de uma bicicleta razoável e apropriada. Ela te fará sentir gosto pelo que faz. Não precisa ser profissional (aqui no nosso Brasil, quase ninguém é). Ciclistas profissionais são poucos. Estes, destinam suas folgas para treinar e competir, representar o esporte local, tão esquecido. Todos tem uma vida paralela. Ralam para sustentar família, alguns estudam à noite. Precisam contar com o a apoio das pessoas queridas, amigos e provavelmente terão mais tempo para pedalar depois dos 40. 

A segunda está aí, mas o mais importante é escolher um trajeto e tentar cumpri-lo. Uma pequena viagem, um passeio, um treininho, nem que seja de brincadeira, para esquecer os problemas, a corrupção, a violência e tudo que nos falta para ser um país de primeiro mundo, lá onde os profissionais correm em equipes de ponta. Onde os carros não são tão importantes... Só os de apoio. Então, decida seu roteiro e vá! O meu foi decidido na hora. Desenhe a sua etapa de hoje. Eu fiz a minha! Preferi o sossego da serra ao agito de um feriado movimentado. Se você prefere um passeio light, marque um chimarrão com seus amigos, pegue sua "magrela" e vá. Ou então algo como o pedalzinho bom de hoje pelas paisagens calmas de Ivoti. Eu recomendo!

Trajeto de ida e da volta - 97 km.

Amanhã (hoje) já é outro dia. Os homens do circuíto Pró-Tour vão brigar na terceira etapa consecutiva nas montanhas, tudo por uma camisa que para muitos, é a realização de uma vida. Nós vamos para o trabalho, para a escola, vamos seguir nossa vida normalmente, até podermos vestir nosso uniforme de "super-ciclista" de novo e nos sentirmos lá no mundo dos nossos ídolos. O que temos todos em comum? Pedalamos!

Boa semana aos nossos leitores!

EQUIPE RODOCICLO