UM POUCO DE NOSSA LOJA

Novo espaço Rodociclo para 2014!

quinta-feira, 18 de setembro de 2014

JENS VOIGT ENCERRA CARREIRA COM RECORDE MUNDIAL DA HORA



Ninguém seria louco de duvidar que hoje seria estabelecido um novo recorde da hora. Afinal, era um desafio bem dentro do perfil de Jens Voigt e de tudo que ele representou ao longo de sua vitoriosa carreira. Então, muitos irão perguntar pelos seus triunfos. Não venceu nenhuma grande volta, começou tardiamente no ciclismo, aos 23 anos. Mesmo assim, sempre foi um dos ciclistas mais populares e também combativos de todo o pelotão. Em 20 anos de carreira, foram 17 participações em Tour de France, onde usou a camisa amarela por duas vezes e teve num 28º lugar sua melhor colocação. Ainda assim, ele próprio contabiliza que deve ter rodado mais de 850 mil km ao longo da sua vida de atleta. Mas, se não era tão amigo das montanhas, as fugas eram verdadeiramente "seu chão". Estava em todas, sempre tentando, sempre andando na frente. E convenhamos, encerrar a carreira aos 43 anos, andando forte entre os profissionais da elite mundial não é para qualquer um. 



Voigt vinha competindo pela Trek Factory Racing, uma equipe patrocinada pela Trek, que lhe presenteou com uma bicicleta personalizada, com a qual correu suas últimas provas, assim como desenvolveu uma bicicleta especialmente para a tentativa de bater o recorde mundial, que ocorreu hoje. No entanto, cabe salientar que existem dois recordes: um nas normas da UCI e outro com bicicletas não regulamentadas, onde a melhor marca que se tem conhecimento é de 56,375kmm estabelecida pelo britânco Chris Boardman em 1996 e outro, válido pela UCI, cuja a melhor marca pertencia a Ondrej Sosenka (49,7 km percorridos em uma hora). E seria este último que o alemão iria tentar quebrar hoje. 




E foi com o mesmo espírito que sempre arriscou tudo para lograr êxito em uma fuga que Jens Voigt largou hoje, no velódromo de Grenchen, na Suíça. Começou andando forte e depois, foi administrando para então, nos 20 minutos finais, eufórico por saber que estava com vantagem, dar tudo e andar no limite, como fez a vida inteira, despedindo-se assim, do ciclismo profissional com um novo recorde da hora estabelecido: 51,115 km! 


Curiosamente, entre os preparativos para o dia de hoje, que marcaria de forma memorável sua carreira e sua vida, destaca-se a escolha da trilha sonora que acompanharia Voigt, que completou 43 anos na véspera da tentativa: muito Rock and Rool e Heavy metal, de AC/DC a Metallica, terminando com “Final Countdown”, em um mix que incluiu, entre outros, Black Sabbath, Ugly Kid Joe, Air Supply, REO Speedwagon e Bryan Adams. Agora é a vez do ciclista dedicar-se à família e aos seis filhos. Questionado se poderia voltar a competir, como quis fazer Armstrong, por exemplo, Voigt foi taxativo em afirmar que "acabou"!


Espera-se que em uma ocasião futura, especialistas como Fabian Cancellara, Bradley Wiggins ou Tony Martin sejam os próximos a tentar. Donos de marcas históricas e recordes no contra-relógio, eles têm tudo para estabelecer marcas ainda maiores e também entrar para a história, como  ocorreu com Eddy Merckx, Graeme Obree (do filme "O Escocês Voador"), Miguel Indurain, Tony Rominger e, por fim, com o próprio Jens Voigt, que encerra a carreira com um grande feito e o legado de um atleta ético, profissional e dono de uma carreira brilhante! Voigt deixa a estada, mas entra para a história do esporte que foi sua paixão e sua vida!

Equipe Rodociclo

quarta-feira, 17 de setembro de 2014

ALBERTO CONTADOR FATURA A VOLTA DA ESPANHA 2014, ENQUANTO VOIGHT TENTA RECORDE DA HORA ÀS VÉSPERAS DO MUNDIAL.



O título desta postagem relata uma notícia que com menos de uma semana, já ficou, digamos, "velha". Outros acontecimentos importantes no esporte nos próximos dias e deverão figurar em destaque nas manchetes. Mesmo assim, Alberto Contador ainda revive a glória da sua conquista, enquanto aproveita seus momentos de fama para prospectar seus resultados futuros e descansar. Ele que chegou a ser criticado na temporada passada por Oleg Tinkov (dono da equipe e seu patrocinador), agora é visto como um herói, talvez não pelo seu feito em si, ainda que memorável, mas por causa da forma como foi conquistado. Recuperando-se de forma precoce de uma lesão séria, que normalmente deveria mantê-lo fora das competições por um bom tempo e superando muitos limites, alguns estabelecidos pelos próprios médicos do atleta. 



Quem acompanha as provas de ciclismo, de certa forma, já sabia com antecedência o que aconteceria e como aconteceria (e aconteceu mesmo), nesta edição de 2014 da Volta da Espanha. E o ciclista que talvez fosse a maior incógnita quando o pelotão alinhou no primeiro dia, etapa após etapa foi se consolidando como o mais preparado para vestir, definitivamente, a camisa vermelha. Nós acompanhamos através de resumos informativos os momentos mais decisivos da prova, sendo que mal acabou a Vuelta, e todos os olhos já estão se voltando para o Mundial de ciclismo, que está às vésperas de ocorrer. 



Entre essa maratona de competições importantes, amanhã o alemão Jens Voigt tentará uma façanha que pode colocar seu nome na história do esporte. Ele deve tentar quebrar o recorde da hora, que atualmente pertence ao tcheco Ondrej Sosenka (49,7 km percorridos em uma hora). Voigt, que recentemente anunciou que está deixando o pelotão profissional, embora esteja ainda em grande forma, quer aproveitar o momento para encerrar sua carreira em grande estilo. Se conseguir estabelecer um novo recorde, fechará com chave de ouro seus anos de participação no pelotão profissional, onde mesmo aos 43 anos, ainda esbanja força e estilo, sendo conhecido como um dos mais combativos de todos. Dono de uma passada forte e um estilo ofensivo, o alemão quer deixar as competições enquanto ainda está em boa forma. Tanto sua despedida, como a tentativa de quebra do recorde da hora foram marcadas por bikes personalizadas, que seu patrocinador (Trek) preparou exclusivamente para estes momentos da carreira deste grande ciclista. Para quem desejar acompanhar, a UCI deve transmitir a tentativa da quebra do recorde, que deverá ser às 14 horas (horário de Brasília).

Já Contador, que deu a Specialized mais um grande título ao vencer a Volta da Espanha, declarou que não ira ao mundial, pois precisa descansar e deve voltar às provas em outubro, já tendo definido no seu calendário as provas que irá participar. De 21 a 28 deste mês, ocorrem as provas do Mundial de ciclismo (estrada e CRI), que serão realizadas em Ponferrada na Espanha. Lá, os melhores nomes do contra-relógio e das provas de estrada estarão presentes, dando tudo de si em busca do sonho da camisa com as cores do arco-íris, que simboliza o campeão mundial durante um ano, além de escrever seu nome na seleta lista de campeões, que é alimentada ao longo de décadas. 



É certo que hoje, talvez não seja mais tão "fácil" (se é que um dia foi) ser um super-campeão. Com toda a tecnologia e toda a especialização do ciclismo, é difícil um atleta se manter na ponta por muito tempo. Avançar alguns segundos ou até mesmo décimos pode ser muito difícil. Sempre estão surgindo novos talentos e a tendência é que o esporte se renove de forma muito rápida. Mesmo assim, algumas afirmações do atual campeão da Volta da Espanha externaram o seu desejo de tentar vencer as três grandes voltas em um ano (em 2008, venceu na Itália e na Espanha). No entanto, das três, certamente a mais desejada será o Tour de France do ano que vem, para o qual o ciclista certamente fará uma preparação muito específica. 

Alberto Contador, hoje aos 31 anos, é um dos, senão o maior nome entre os ciclistas de grandes voltas. Dono de grande potencial aeróbico e muita desenvoltura em escaladas, é nas montanhas que mostra sua força, lançando ataques que quase sempre deixam os adversários para trás e lhe rendem boa vantagem e vitórias em etapas, além do título geral das provas que participa. Especialista no contra-relógio, sua regularidade em todas as situações faz com que ele seja favorito em qualquer prova com etapas que participe, especialmente se for longa e tiver muitas montanhas, como é o caso das Três Grandes Voltas. Alberto Contador ainda tem muito a oferecer ao ciclismo mundial. E surgirão muitos adversários que tentarão medir forças com ele, o que enriquece e engrandece o esporte. 



Parabéns a Alberto Contador pelos seus feitos. Não vamos desmerecer os demais ciclistas. Froome, Valverde e Joaquim Rodriguez fizeram ótimas temporadas também. Nossos cumprimentos a Nairo Quintana, que foi campeão do Giro e Nibali, que chegou a Paris vestindo amarelo. E o que mais nos deixa feliz nessa nova geração de campeões é que os escândalos de dopping têm se ausentado das manchetes. Mesmo que o passado tenha condenado (ou suspenso) muitos atletas, cada um pagou seu preço e hoje, acredita-se que estão limpos, ajudando assim a manter limpo o nome do esporte que representam. Aqui no Brasil, o ciclismo não é tão aplaudido como na Europa, onde divide espaço de igual para igual com o futebol. E cada atleta deveria ter claro na sua mente e na sua vida, que mais que uma carreira vitoriosa, os grandes campeões são ídolos, que têm um legado a deixar para gerações inteiras. Um legado que deveria começar sendo exemplo de ética e transparência. É para se pensar...

Equipe Rodociclo

sábado, 13 de setembro de 2014

VOLTA DA ESPANHA 2014: CONTADOR VENCE 20ª ETAPA E AMPLIA VANTAGEM.


Hoje aconteceu a penúltima etapa da Volta da Espanha. Como prevíamos, Contador não deu chances aos seus adversários e de quebra levou a etapa de hoje, com uma vantagem de 16 segundos sobre Froome, que ficou em segundo, seguido de Valverde, Rodriguez e Fábio Aru. 



Na 18ª etapa, Froome quase levou a vitória, mas acabou batido por Fábio Aru no final. Este, teve um ótimo ano, é considerado uma revelação no ciclismo e no futuro deve estar entre os nomes que disputarão a vitória das Grandes Voltas. O esforço de Froome o levou até a segunda colocação na geral, mas foi insuficiente para atingir seu maior objetivo que era ultrapassar o líder. Alberto Contador terminou o dia com vantagem de 1 min. e 18 seg. Chegou ao topo junto com Rodriguez e Valverde, marcando de perto seus principais adversários. 



A 19ª etapa, com perfil mais plano, foi vencida por Adam Hansen, que atacou no momento certo e deixou os sprinter's para trás ao lograr êxito em sua fuga, após longos 180,5 km de pedal. Era momento de apenas administrar a vantagem e deixar os velocistas fazerem seu trabalho. Hoje, seria a última chance de vencer Contador.



Em um esporte tão preciso e decidido por milésimos, o tempo de um minuto é um abismo quando se confrontam atletas, equipes e bikes de ponta, com um trabalho impecável, como é o caso da Astana e Sky. No entanto, Contador mostrou supremacia e já pode ser considerado o virtual Campeão desta edição da Vuelta, já que o curto contra-relógio de amanhã não será suficiente para compensar a grande diferença entre ele e Froome, em uma modalidade que o espanhol já mostrou estar em grande forma. Se confirmado o resultado, Contador será tricampeão da prova, logo que há algumas semanas era uma das maiores dúvidas, com poucas chances de participar ou brigar por uma vaga no pódio. 

Como em 2012, Contador correu com genialidade e estratégia, ao vencer uma das últimas etapas da competição, revertendo sua desvantagem e conquistando a liderança, após uma bem sucedida e inesperada fuga. 


Equipe Rodociclo

quarta-feira, 10 de setembro de 2014

VOLTA DA ESPANHA 2014: ALBERTO CONTADOR VENCE E LIDERA


A Volta da Espanha, em sua história recente, nunca foi cercada de tantas polêmicas como este ano. Talvez a presença de algumas estrelas que, em uma temporada normal, teoricamente não participariam da prova, esteja contribuindo para isto, fazendo com que todos os olhares e concentrem em nomes como como Contador e Froome, que já deveriam estar com suas temporadas ganhas com antecedência e por adversidades, quedas e lesões, acabaram fora do Tour de France, que segundo eles mesmo afirmavam, era o grande objetivo das suas temporadas.


Fora isso, surgiram outras polêmicas paralelas, como o suposto "dopping" das bikes da Garmin, também testemunhamos agressões trocadas por Gianluca Brambilla e Ivan Rovny diante das câmeras, que resultaram na expulsão de ambos da competição e por último, um dos gregários de Froome acusou Joaquim Rodriguez de tê-lo agredido durante a 15ª etapa, realizada no domingo. A queda de Quintana, que resultou em sua saída da competição, também foi negativa para o esporte, já que ele vive grande momento e representa a renovação de uma geração de ciclistas que possuem, pela sua tradição de resultados, o favoritismo em grandes voltas.

As dúvidas sobre o estado físico de Contador deixavam as portas abertas a Froome, pois teoricamente, o espanhol seria o único capaz de fazer frente ao capitão da Sky. Mas o que vimos na décima sexta etapa foi uma tentativa de Christopher Froome em diminuir sua vantagem, que acabou mal sucedida após o contra ataque de Alberto Contador, que não só venceu mas ampliou sua vantagem sobre os demais. Os 15 segundos sobre Froome não foram muito, se comparados ao golpe moral imposto justamente na chegada de uma das mais importantes etapas da competição.



Hoje, uma etapa plana e longa, com pouco mais de 190 km não deve alterar a classificação. Até sábado, quando teremos a última chegada em montanha (Puerto de Ancares), após 185,7 km bem sinuosos, poucas mudanças devem ocorrer na geral. Nesta etapa, todos os olhares deverão se voltar para os cinco primeiros na geral, pois será a última chance de atacar Contador. Se ele passar essa etapa mantendo a vantagem, dificilmente será batido no contra-relógio do domingo, pelo fato de ser curto demais para compensar uma grande diferença de tempo, além de ser uma modalidade que o espanhol domina muito bem.


Diante do atual cenário, as chances de Contador ser campeão são grandes. Logo ele, que até alguns dias antes da prova, dava certeza da sua ausência, entrou anunciando que batalharia apenas por uma vitória em etapa e por fim, despontou como grande favorito ao manter-se nas primeiras colocações e assumir a camisa vermelha de líder, mantendo-a mais do que isso, mostrando que é o mais forte da atualidade. A partir de agora, Contador só perde para ele mesmo!

OS DEZ PRIMEIROS DA CLASSIFICAÇÃO GERAL
1 – Alberto Contador Velasco (Esp) Tinkoff-Saxo 63:25:00
2 – Alejandro Valverde Belmonte (Esp) Movistar 00:01:36
3 – Christopher Froome (GBR) Team Sky 00:01:39
4 – Joaquin Rodriguez Oliver (Esp) Katusha 00:02:29
5 – Fabio Aru (Ita) Astana Pro Team 00:03:38
6 – Daniel Martin (Irl) Garmin Sharp 00:06:17
7 – Robert Gesink (Hol) Belkin Pro Cycling Team 00:06:43
8 – Samuel Sanchez (Esp) BMC 00:06:55
9 – Warren Barguil (Fra) Giant-Shimano 00:08:37
10 – Damiano Caruso (Ita) Cannondale 00:09:10

Equipe Rodociclo

domingo, 7 de setembro de 2014

PARA COMEÇAR BEM A SEMANA, PEDALE!


Se você está aqui lendo este texto, certamente, tem alguma coisa a ver com bike. Pedala de vez em quando, treina, compete, ou simplesmente é um daqueles apaixonados que gosta de estar por dentro do mundo das bikes. Você está vendo que estamos acompanhando a famosa Volta da Espanha, ou "Vuelta", como é chamada na sua terra. Hoje vamos narrá-la de outra forma. 


No segundo dia nas Astúrias, o polonês Przemyslaw Niemiec foi o vencedor. Ontém foi a vez de Ryder Hesjedal, que esteve envolvido na polêmica onde se acreditava que sua bike tinha motor. Logo ele, no dia seguinte, venceria a etapa... Será que tinha motor mesmo?... Contador segue defendendo sua liderança, seguido de perto (cada vez mais perto) por Valverde. Ontem Froome tentou, até que rendeu algum resultado, mas hoje não deu, perdeu tempo e parece que apenas dois nomes agora encabeçam a lista  real de favoritos. Mas tudo bem, ainda é cedo e muita coisa pode ainda acontecer. 


Lendas, mitos, verdades... Sabemos que um abismo nos separa destes ciclistas, capazes de esforços sobre humanos. Dopping? Quem sabe... Esperemos que não. Já foram muitas manchas ao nome do esporte e muitas carreiras destruídas. Já temos muitos pódios vazios, medalhas sem nome. Mas é fato que cada um deles nasceu com algo a mais, nasceram para estar entre os melhores e ali estão. E muita gente pergunta por que acompanhamos um esporte cuja realidade parece tão distante da nossa. O ciclismo é mesmo um esporte elitizado. Bom, aqui no nosso país mais ainda, já que se paga tanto imposto sobre a bicicleta e o esporte favorito é o futebol, bem mais popular e coletivo. Muitos sonham com a fama e a carreira milionária dos campos enquanto batem sua bola no quintal de casa. E nós? Bom, nós pedalamos! 


Muita gente treina. Aqui também temos nossos "super-ciclistas", que rodam, treinam, competem e o que é pior: não têm nem uma parte sequer do patrocínio e muito menos o reconhecimento de um Alberto Contador. Não são aplaudidos nas ruas, nem dão entrevistas. Não são polêmicos como Armstrong e nem geniais como Pantani. Correm anonimamente, montam equipes para ter carona, custeiam seus equipamentos, arriscam-se treinando de noite ou em estradas movimentadas de dia. Muitos têm trabalhos desgastantes, pesados, contas, compromissos, família e ainda assim, saem para rodar no fim do expediente. Outros, apenas usam a bike como meio de transporte. Mas "tá valendo". 


Muitos de nós sequer têm tempo para curtir nosso pedal, quem diria treinar. Mas ainda assim, as estrelas que hoje escreveram seu nome na história do esporte e sequer sabem da nossa existência são nossa referência. Queremos suas bikes, tentamos treinar como eles, usamos suas camisas, nos sentimos um pouco como eles quando estamos sobre a bike, curtindo os nossos 25 (?!?!?!?!) km/h de média. Tudo bem, faltou "pouco" para os 45 km/h deles, assim como sobraram alguns quilinhos a mais na balança. Mas o importante é que estamos ali. 


Hoje, antes de escrever este post, fui para o Bikemagazine ler o que havia acontecido ontem e hoje. O trabalho de sábado sempre é corrido. Hoje acordei tarde, tinha tarefas pessoais. No meio da tarde, depois de almoçar em casa, deixei a preguiça de lado e fui pedalar (já era tarde, passava das 15 horas). Na volta, mal alonguei, emendei uma janta, cinema (vai dizer, não e bom?) e aqui estou, em plena 01:18 de segunda me atualizando da Vuelta e escrevendo para você ler!


Mas eu estou feliz, começarei bem a semana porque pedalei. Foram 97 km, média de 23 km/h. Foi bom para a minha realidade. Até peguei umas subidas, para me sentir um pouco como Valverde, Froome ou Contador, mas estava de mountain bike, bem mais apropriada para os desvios urbanos aqui de Canoas, bem mais confortável e segura caso chovesse (o dia estava fechado e lá em cima chove mais que aqui). Um grupo Deore LX, antigo mas funcional, um quadro bem pesado de alumínio, um par de pneus meio gastos, mas que ainda rodam, um "mandolate Da Colônia" comprado em Ivoti (esqueci o gel energético). É assim a vida de muitos ciclistas anônimos. A multidão estava lá, ocupando as ruas diante do Parque de Exposições em Esteio. Mas não era para mim. Centenas de pessoas esperavam na fila para entrar no parque e eu passei despercebido por todos, pedalando entre os carros. Com a BR-116 cheia, sempre é preciso cautela, mas depois tudo ficou bem. Cheiro de mato, flores, primavera, subidas.. O vento ajudou na ida e na volta. Muitos passeando de carro e eu ali, de bike. 

Você não precisa sair de casa de madrugada, nem treinar como os profissionais, ter a bike que eles têm. Mas pode se permitir o conforto de uma bicicleta razoável e apropriada. Ela te fará sentir gosto pelo que faz. Não precisa ser profissional (aqui no nosso Brasil, quase ninguém é). Ciclistas profissionais são poucos. Estes, destinam suas folgas para treinar e competir, representar o esporte local, tão esquecido. Todos tem uma vida paralela. Ralam para sustentar família, alguns estudam à noite. Precisam contar com o a apoio das pessoas queridas, amigos e provavelmente terão mais tempo para pedalar depois dos 40. 

A segunda está aí, mas o mais importante é escolher um trajeto e tentar cumpri-lo. Uma pequena viagem, um passeio, um treininho, nem que seja de brincadeira, para esquecer os problemas, a corrupção, a violência e tudo que nos falta para ser um país de primeiro mundo, lá onde os profissionais correm em equipes de ponta. Onde os carros não são tão importantes... Só os de apoio. Então, decida seu roteiro e vá! O meu foi decidido na hora. Desenhe a sua etapa de hoje. Eu fiz a minha! Preferi o sossego da serra ao agito de um feriado movimentado. Se você prefere um passeio light, marque um chimarrão com seus amigos, pegue sua "magrela" e vá. Ou então algo como o pedalzinho bom de hoje pelas paisagens calmas de Ivoti. Eu recomendo!

Trajeto de ida e da volta - 97 km.

Amanhã (hoje) já é outro dia. Os homens do circuíto Pró-Tour vão brigar na terceira etapa consecutiva nas montanhas, tudo por uma camisa que para muitos, é a realização de uma vida. Nós vamos para o trabalho, para a escola, vamos seguir nossa vida normalmente, até podermos vestir nosso uniforme de "super-ciclista" de novo e nos sentirmos lá no mundo dos nossos ídolos. O que temos todos em comum? Pedalamos!

Boa semana aos nossos leitores!

EQUIPE RODOCICLO

sábado, 6 de setembro de 2014

VOLTA DA ESPANHA 2014 CHEGA ÀS MONTANHAS.



Após as vitórias de John Degenkolb (a terceira) e Daniel Navarro, hoje a volta chega às Astúrias, temida cadeia de montanhas, começando hoje com uma etapa de 200 km, rampas de até 24 graus de inclinação e uma forte subida na chegada. Será a primeira de três etapas consecutivas na região, que deverão testar os motores dos mais bem preparados e será um bom cenário para os favoritos lutarem pela liderança. 


Os cinco primeiros estão separados por pouco mais de um minuto e meio e a liderança de contador, de apenas 20 segundos, pode facilmente ser ameaçada por Valverde, caso ocorra algum imprevisto. Mas tratando-se de Contador, sabemos que é um adversário forte e conta com uma equipe bem estruturada, tornando difícil a missão de roubar sua liderança.



Lamentamos que Murilo Fisher, o único brasileiro na prova tenha abandonado, em consequência de uma queda na etapa anterior, percorrida em circuíto, quando chegou a ser visto liderando o pelotão em alguns momentos. 


OS 5 PRIMEIROS DA 13ª ETAPA
1 – Daniel Navarro Garcia (Esp) Cofidis 4:21:04
2 – Daniel Moreno Fernandez (Esp) Katusha 0:00:02
3 – Wilco Kelderman (Hol) Belkin m.t.
4 – Alejandro Valverde Belmonte (Esp) Movistar 0:00:05
5 – Nacer Bouhanni (Fra) FDJ.fr m.t.

OS 10 PRIMEIROS DA CLASSIFICAÇÃO GERAL
1 – Alberto Contador Velasco (Esp) Tinkoff-Saxo 48:59:23
2 – Alejandro Valverde Belmonte (Esp) Movistar 00:00:20
3 – Rigoberto Uran Uran (Col) Omega Pharma – Quick-Step 00:01:08
4 – Christopher Froome (GBR) Team Sky 00:01:20
5 – Joaquin Rodriguez Oliver (Esp) Katusha 00:01:35
6 – Samuel Sanchez (Esp) BMC 00:01:52
7 – Fabio Aru (Ita) Astana Pro Team 00:02:13
8 – Winner Anacona Gomez (Col) Lampre-Merida 00:02:37
9 – Robert Gesink (Hol) Belkin Pro Cycling Team 00:02:55
10-  Damiano Caruso (Ita) Cannondale 00:03:51

EQUIPE RODOCICLO

quinta-feira, 4 de setembro de 2014

VOLTA DA ESPANHA 2014: FÁBIO ARU VENCE E COTADOR LIDERA.


Para quem acompanhou os resultados mais recentes das últimas provas de ciclismo, os resultados das etapas e a classificação geral da Volta da Espanha deste ano não são nenhuma novidade. Alberto Contador realmente deixou seus torcedores com dúvidas, mas considerando sua preparação para o Tour, caso fosse liberado para competir, certamente não viria tão "fora de forma" assim, como ele mesmo afirmava. Para muitos, foi uma apenas jogada sua para desviar a atenção dos adversários sobre sua presença na prova. Afinal, ele veste a camisa de líder e mostrou ótimo desempenho no contra-relógio. Segundo ele, sua recuperação deve-se mais ao fato de ele mesmo ter acreditado em si, contrariando os próprios médicos. 



Froome, que era grande expectativa, vem se mantendo entre os líderes, em quarto lugar, embora com uma desvantagem significativa. Isto sim, não era de se esperar, pois deixou de competir no Tour, onde era franco favorito em função de uma lesão simples e, teoricamente, é o ciclista que teve está mais descansado e que teve mais tempo para se preparar. Valverde vem de um desgastante Tour, onde acabou perdendo tempo nas últimas etapas, ficando em quarto lugar. Embora esteja em excelente forma, é questionável se terá condições de sustentar o segundo lugar atual e brigar com Contador e os demais. O mesmo se aplica a Joaquim Rodriguez, quinto na geral. Apesar de sempre muito combativo, sofreu com quedas que prejudicaram sua performance ao longo das competições. Estas, assombraram quase todos os grandes nomes ao longo da temporada. Vem de participações desgastantes no Giro e Tour. e terá que lutar nas montanhas para melhorar sua classificação e recuperar os segundos preciosos que o separam da Camisa Vermelha.



As duas últimas etapas foram decisivas para que este contexto se formasse. Nairo Quintana, que mostrava ter tudo para levar o título e vestia a Camisa Vermelha, a perdeu no contra-relógio, após uma queda, onde Tony Martin, atual campeão mundial na modalidade se exibiu em uma performance assustadora. Percorreu os 36,7 km com média próxima aos 47 km/h. A surpresa veio do segundo lugar com Rigoberto Uran, há apenas 15 segundos. Cencellara fez terceiro e Contador, que era segundo, com o quarto melhor tempo, assumiu a liderança. Uran mostra que vem amadurecendo seu ciclismo, está em terceiro na geral e com a performance que vem mostrando, é outro colombiano que promete brigar por títulos em grandes voltas, a exemplo de Nairo Quinana.



Na 11ª etapa, com chegada em montanha, a vitória do dia ficou com Fabio Aru. Sétimo na geral, não está tão longe do líder, mas considerando o perfil dos adversários, acaba ficando fora da lista dos favoritos, mas é outro ciclista que promete lutar por grandes títulos no futuro. Foi nesta etapa que Quintana sofreu nova queda, que acabou tirando-o da competição. Uma lástima, já que seria espetacular ver um ciclista Colombiano, levar duas importantes provas na mesma temporada. Ainda resta Uran, que tem todas as condições para lutar pelo título. A chegada do dia foi marcada pela chegada do grupo dos favoritos de forma compacta, a apenas seis segundos do do vencedor.



Hoje, está prevista uma etapa de 166 km, em um circuito, que embora extenso, é plano e favorável aos sprinters. As montanhas devem chegar novamente no sábado, quando podem ocorrer mudanças na classificação geral, considerando que não ocorra mais nenhuma queda entre os favoritos até lá.

Valverde bem que merece o título pela sua excelente temporada. O mesmo pode-se dizer de Contador, pela garra e coragem que demonstrou, competindo sem ter se recuperado completamente. Froome tenta salvar sua temporada e Rodriguez, muito combativo, luta há várias temporadas por um importante título. Entre eles, está Uran, que traria mais uma honra ao ciclismo sul americano se conquistasse o título. E você, em quem vai apostas suas fichas?

OS 5 PRIMEIROS DA 11ª ETAPA

1 – Fabio Aru (Ita) Astana Pro Team 03:41:03
2 – Alejandro Valverde Belmonte (Esp) Movistar 00:00:06
3 – Joaquin Rodriguez Oliver (Esp) Katusha m.t.
4 – Alberto Contador Velasco (Esp) Tinkoff-Saxo m.t.
5 – Christopher Froome (GBR) Team Sky m.t.

OS 10 PRIMEIROS DA CLASSIFICAÇÃO GERAL

1 – Alberto Contador Velasco (Esp) Tinkoff-Saxo 40:26:56
2 – Alejandro Valverde Belmonte (Esp) Movistar 00:00:20
3 – Rigoberto Uran Uran (Col) OmegaPharma-Quick-Step 00:01:08
4 – Christopher Froome (GBR) Team Sky 00:01:20
5 – Joaquin Rodriguez Oliver (Esp) Katusha 00:01:35
6 – Samuel Sanchez (Esp) BMC 00:01:52
7 – Fabio Aru (Ita) Astana Pro Team 00:02:13
8 – Winner Anacona Gomez (Col) Lampre-Merida 00:02:22
9 – Robert Gesink (Hol) Belkin 00:02:55
10 – Damiano Caruso (Ita) Cannondale 00:03:51

Equipe Rodociclo

sábado, 30 de agosto de 2014

VUELTA A ESPAÑA 2014: VALVERDE VENCE E ASSUME A LIDERANÇA



Após seis etapas realizadas, nesta quinta, a Volta da Espanha teve sua primeira chegada em montanha. A vitória, como era de se esperar, veio das mãos, ou melhor, das pernas de um escalador. Alejandro Valverde, hoje aos 34 anos, desde que ingressou no ciclismo, mostrou muito talento em todos os tipos de provas. Destacou-se em grandes voltas, venceu clássicas, obteve boas colocações no campeonato Mundial (2º colocado em 2006), venceu a Volta da Espanha, prova que salvou seu ano após uma suspensão por dopping em 2009. Quando começou a mostrar seus primeiros resultados, ainda jovem, o espanhol mostrou ser uma joia a ser lapidada a ponto de se tornar um grande campeão.



Valverde vive um ótimo momento, está no auge de sua forma, unindo a força de um ciclista com base formada à experiência de anos dentro do pelotão profissional. Segundo estudos, o auge de um ciclista profissional ocorre entre os 28 e os 32 anos, quando ele desenvolve sua força, resistência física e desenvoltura mental para enfrentar as pressões e saber como se portar diante de provas extenuantes, como um Tour, um Giro ou uma Vuelta. No entanto, nomes como Jens Voigt, que encerrou sua carreira nesta temporada, aos 43 anos, ainda como um dos mais combativos do pelotão, mostram-se uma exceção à regra. E Valverde, aos 34 anos, vive uma de suas melhores temporadas. Atual campeão nacional de contra-relógio, obteve bons resultados em clássicas e foi quarto colocado no Tour de France, mostrando que é um ciclista completo em todas as modalidades. Talvez não tivesse obtido um resultado tão bom na França, onde foi beneficiado pela ausência (ou abandono) dos dois principais favoritos: Froome e Contador. E pelo desempenho que mostrou naquele momento, não teria ficado à altura deles.


Devido a isto, a "Vuelta", que normalmente não é disputada por ciclistas que deram tudo no Tour, (esse era o plano de Contador e Froome), acabou sendo a última esperança de algumas estrelas salvarem a sua temporada. Temos ainda Nairo Quintana, Joaquim Rodriguez e Fábio Aru disputando um lugar ao sol (ou ao pódio) entre os melhores das montanhas. E justamente, a sexta etapa, quando veio a primeira subida da competição, foi o momento em que Valverde mais uma vez se viu cara a cara com os principais adversários e favoritos ao título. Desta vez, ele não está só, tem ao seu lado Nairo Quintana, que figura como outro grande ícone das grandes voltas, após seu grande feito, nada menos que o Giro D'Itália deste ano. Agora já recuperado do desgaste de uma prova tão dura e longa, Quintana divide as apostas e as atenções dos expectadores, já que compete pela mesma equipe de Valverde e pode-se dizer que tem muitas condições de lutar pelo título, talvez em pé de igualdade ou mesmo vantagem sobre o espanhol!




E foi neste clima, que Valverde mostrou estar em um bom momento, atacou e venceu, para retomar a Camisa Vermelha de líder, que esteve em suas mãos na segunda etapa e foi perdida para Michael Mathews, vencedor da terceira etapa. Dali para diante, foi um show de sprints de Degenkolb, que ganhou a quarta e quinta etapas. Para vencer a sexta etapa, o ciclista da Movistar manteve-se forte, levou consigo seu companheiro Quintana e, no trecho final, respondeu aos ataques com propriedade, para então abrir pequena vantagem e vencer, retomando a liderança.




Mas ainda é muito cedo e como sabemos, foi só um pequeno teste, já que Froome (que sofreu nova queda na sétima etapa) e Contador não mostraram sua real condição física. Este último, uma verdadeira incógnita sobre seu real estado, apenas declarou que se sentiu bem após cruzar a chegada em terceiro, logo atrás de Froome e Valverde, alegando já sentir poucas dores após a fratura ocorrida no Tour.Com estes resultados, temos Valverde, Quintana, Contador e Froome nas quatro primeiras colocações, separados por uma diferença total de 20 segundos, seguidos por Johan Esteban Chaves Rubio e Rodriguez logo atrás. Este panorama não mudou na sétima etapa, vencida por Alessandro De Marchi, após uma fuga bem sucedida.



Resta agora ver, com a chegada de novas etapas de montanha, quem realmente estará mais forte e em condições de vestir e manter a Camisa Vermelha. Neste sábado, está prevista uma chegada no Sprint. Domingo, mais subida. As etapas consecutivas terão de tudo um pouco: contra-relógio, montanhas, circuíto, tudo culminando com a temida 14ª etapa, que terá rampas de até 24% de inclinação, uma dura chegada em montanha, tudo isso após mais de 200 km de pedal. Esta é a previsão da segunda semana desta "Vuelta".

OS 5 PRIMEIROS DA 7ª ETAPA
1 – Alessandro De Marchi (Ita) Cannondale 04:01:52
2 – Ryder Hesjedal (Can) Garmin-Sharp 00:01:34
3 – Hubert Dupont (Fra) AG2R La Mondiale 00:01:35
4 – Johann Tschopp (Sui) IAM Ciclismo m.t.
5 – Philippe Gilbert (Bel) BMC 00:02:17

OS 10 PRIMEIROS DA CLASSIFICAÇÃO GERAL
1 – Alejandro Valverde Belmonte (Esp) Movistar 26:52:20
2 – Nairo Alexander Quintana Rojas (Col) Movistar 00:00:15
3 – Alberto Contador Velasco (Spa) Tinkoff-Saxo 00:00:18
4 – Christopher Froome (GBR) Team Sky 00:00:20
5 – Johan Esteban Chaves Rubio (Col) Orica GreenEdge 00:00:41
6 – Joaquim Rodríguez Oliver (Esp) Katusha 00:00:45
7 – Robert Gesink (Hol) Belkin Pro Cycling Team 00:00:55
8 – Fabio Aru (Ita) Astana Pro Team 00:00:58
9 – Warren Barguil (Fra) Giant-Shimano 00:01:02
10 – Wilco Kelderman (Hol) Belkin Pro Cycling Team 00:01:06

Bom final de semana e bons pedais aos nossos leitores.

Equipe Rodociclo




sábado, 23 de agosto de 2014

VOLTA DA ESTANHA 2014: MOVISTAR VENCE 1ª ETAPA



Neste sábado ocorreu a primeira etapa da Volta da Espanha 2014, um contra-relógio curto, com apenas 12,6 km percorridos em 14min e 13seg (com 53 km/h de média!!!) pela equipe Movistar de Nairo Quintana e Alejandro Valverde. Não podemos dizer que esta etapa teve importância significativa na classificação geral, onde as dez primeiras equipes estão separadas por apenas 25 segundos. Como ocorre em todas as grandes voltas, o título deverá ser decidida nas montanhas, culminando com a chegada em Santiago de Compostela, no dia 14 de setembro, após 21 etapas, em outro contra-relógio, porém, individual. 



A Volta da Espanha 2014 integra as três Grandes Voltas Ciclísticas por etapas do ciclismo mundial e junta, assim como o Tour de France e o Giro D'Itália, as maiores equipes e os melhores atletas de elite do esporte, que lutam pelo tão sonhado título que colocará seu nome na história ao lado de outros grandes campeões. Por ser a última competição de maior expressividade no ano e, em especial, por causa de quedas, lesões e desistências entre as estrelas ocorridas no Tour e Giro, podemos afirmar que temos um "pelotão de luxo" nesta edição da Vuelta, que percorrerá 3.239,9 km, com 3 contra-relógios, 5 etapas planas e 13 de alta e média montanha. Também será a última oportunidade para nomes como Froome, Contador, Valverde e Joaquim Rodriguez subirem ao pódio em uma grande volta, pelo menos este ano. Fora estes, temos ainda Nairo Quintana, que por sua vez, não precisa provar nada, pois já ganhou o Giro de 2014.

Contador na cerimônia de apresentação das equipes da Vuelta 2014

Alberto Contador foi uma das maiores surpresas da prova, pois está a se recuperar de uma cirurgia em função de uma violenta queda no Tour, onde era favorito. Não se pode dar crédito às suas modestas pretensões de ganhar uma etapa, alegando estar com sua periodização prejudicada e fora de forma pela cirurgia. Caso semelhante foi o de Froome, que teve uma lesão leve e entra como favorito, no comando da Sky. Já Purito, sofreu muito com quedas no Giro, não mostrou desempenho suficiente para o Tour e gera dúvidas quanto ao seu estado físico, após um longo período competindo em provas altamente desgastantes. O mesmo pode dizer-se de Valverde, que deu tudo de si no Tour e aproveita seu bom momento para lutar pela vitória, embora tenha ao seu lado como colega de equipe, Nairo Quintana, que é franco favorito ao título. O desempenho individual de cada um é que ditará quem a equipe irá apoiar.

Cadel Evans, que vem de uma temporada modesta está na esquadra da BMC, ao lado de Philippe Gilbert. Rigoberto Uran, outro colombiano que se destacou este ano, vestirá a camisa da OmegaPharma-Quick Step, ao lado de Tom Boonen e Tony Martin. Embora não favoritos ao título, muitas estrelas debutarão na prova, como é o caso de Fabian Cancellara, que está em franca preparação para o Mundial que virá na sequência, além de John Degenkolb, Peter Sagan, Daniele Bennati, Damiano Cunego e também teremos a participação de um brasileiro nesta edição de 2014. Murilo Fischer vestirá a camisa da frncesa FDJ, com a missão de ajudar a equipe a conquistar boas colocações e conquistar, pelo menos, uma etapa.

Amanhã, os ciclistas pedalarão mais de 174 km em uma etapa relativamente plana. Saiba tudo sobre essa prova clicando no link a seguir, que é o site oficial da competição: http://www.lavuelta.com/. Nós já temos nossas apostas. Faça as suas!

Equipe Rodociclo.



terça-feira, 19 de agosto de 2014

19 DE AGOSTO: DIA NACIONAL DO CICLISTA


Hoje é o Dia Nacional do Ciclista. Em meio a tantas dadas comemorativas do nosso calendário, para a maioria das pessoas, é mais um dia comum, assim como está sendo o meu e o seu. Mas claro, para nós, que gostamos de bike e convivemos com ela, seja por lazer, esporte, meio de transporte ou como trabalho, (no nosso caso, são todos estes motivos), é legal saber que tal data foi instituída oficialmente. 

No entanto, o que nos entristece é que o fato alusivo à criação da data não é algo que seja memorável ou digno de recordação. Nesta data, no ano de 2006, o estudante de Biologia Pedro Davison foi ´mais uma vítima do trânsito em uma das muitas e movimentadas vias do Distrito Federal, sendo que o seu atropelamento se deu em decorrência da conduta imprudente de um motorista que transgrediu os preceitos do Código de trânsito, atingindo o ciclista em uma área proibida para veículos automotores, fugindo logo após, sem prestar socorro. 


Com isso, foi criada uma lei que passou a vigorar no ano seguinte, tornando a data de 19 de agosto o Dia Nacional do Ciclista. Muitos não saberão o motivo e acreditamos que não deva ser um dia de tristeza, mas sim de perseverança, de positividade. 

Convenhamos, andar de bicicleta é algo tão simples, tão livre, tão legal! Algo que remete às nossas primeiras pedaladas, quando normalmente nosso pai, algum amigo ou familiar mais próximo nos passou as primeiras noções de equilíbrio e de como conduzir uma bicicleta. A bicicleta simboliza simplicidade, liberdade, esporte, abre portas para uma vida saudável física e mentalmente.


Pena que não seja a cultura da maioria das pessoas da nossa população, embora dificilmente você conheça alguém que, mesmo não andando hoje, não tenha algum dia dado uma volta em uma "magrela", como carinhosamente chamamos nossas bikes. Nem seja a cultura das pessoas que dirigem os rumos do nosso povo.


Mesmo assim, todos os dias, sendo ou não o Dia Nacional do Ciclista, uma multidão anônima percorre muitos quilômetros em ruas, avenidas e estradas pelo nosso país, não importando o destino ou a que se destine seu trajeto. Alguns têm hora e destino marcados, outros, apenas pedalam, sem hora, sem rumo, mas certamente, na direção de uma vida mais feliz. 

Só quem pedala entende!
Nossa homenagem ao Dia Nacional do Ciclista. 

Equipe Rodociclo
"Aqui a gente pedala de verdade!"