Nacionais em alta: Caloi Full Carbon

Foi-se o tempo em que as marcas nacionais perdiam para as importadas em termos, tecnologia, empregos de materiais e utilização de componentes de ponta. Marcas como Caloi, Monark e Sundown escreveram boa parte da história da bicicleta no Brasil, tornando suas marcas conhecidas através da grande comercialização de bicicletas populares produzidas em série.

Como o mercado foi mudando e as importadas foram tomando conta, uma vez que eram a única opção para quem desejava uma bicicleta de melhor qualidade, dentro das tendências ofertadas pelo mercado mundial, as nossas marcas nacionais tiveram que inovar, desenvolvendo também seus produtos de ponta, de forma a preservar a tradição das suas marcas e competir com as importadas, hoje em grande número e com muitas opções para todas as aplicações, gostos e bolsos. E sabemos que mercado existe para todos os segmentos.

Desta vez, foi a Caloi que apresentou sua nova bicicleta, uma mountain bike hard tail com 9,4 kg, toda em fibra de carbono, equipada com o famoso grupo Sram X-0 e suspensão Rock Shox Sid Team e rodas V-Zan Everest com pneus Maxxis, freios Avid Elixir CR e componentes FSA. A Caloi Full Carbon vai ser usada pela equipe Suzano-Caloi-Flying Horse ao longo da temporada, sendo representada pelos atletas Douglas Moi Bueno e Renato Ruiz, que usarão as bikes para competir em provas de nível nacional de MTb Maratona e XC.



Para quem conhece um pouco da história da Caloi, a empresa nem sempre viveu da produção de bicicletas populares em série. Nos anos 90, ela disponibilizava modelos equipados com os melhores grupos Shimano da época. Era o caso das Andes Elite com grupo STX e Aluminium Team XT, entre outras, que traziam inclusive o grupo XTR de 24 velocidades da época.



A empresa que popularizou a Caloi 10 no Brasil, primeira “bicicleta de corrida” disponibilizada ao cidadão comum, também produziu a famosa Caloi Eddy Merckx, nome dado em homenagem ao seu desenvolvedor, o famoso campeão de ciclismo mundial dos anos 80 quando este esteve no Brasil para uma prova “9 de julho”, nascendo assim sua parceria com a Caloi. Esta bicicleta foi fornecida para a equipe norte-americana Motorola, onde na época corria o ciclista que viria a ser o maior campeão de todos os tempos do Tour de France, Lance Armstrong, que também pedalou em uma Caloi!



Outra empresa que inovou muito foi a Sundown, que já há alguns anos produz bicicletas de alto nível, como é o caso da linha Racing, com destaque para a RS1 (para ciclismo de estrada, em fibra de carbono com grupo Dura Ace), TR1 (para triathlon e contra-relógio, toda em fibra de carbono com grupo Ultegra) e MT1 (MTB em fibra de carbono com grupo XTR), destinadas a atletas que buscam alta performance em competições e ciclistas exigentes.



Outro detalhe é o preço final ao consumidor, um grande atrativo desta linha de produtos da marca. Para se ter exemplo, uma Sundown RS3 (alimínio, com garfo de carbono), tem preço sugerido aproximado na faixa de R$ 3.900,00. Vem equipada com grupo Shimano 105/Ultegra, rodas Shimano Wh-Rs10 Speed e componentes FSA, alem dos pedais Shimano. Dificilmente se conseguiria montar uma bicicleta com o mesmo conjunto de componentes e um quadro de boa qualidade por este valor.




Fazendo uso desta política de vendas, a Sundown vem se inserindo ao longo do tempo no seleto mercado de bicicletas de alto desempenho e qualidade, competindo com outras marcas e bicicletas importadas de renome.

A Rodociclo Bike Shop coloca a disposição de seus clientes toda a linha Sundown, como a bela TR1 ou impressionante MT1, além de uma RS3, todas em exposição na sua loja. Venha conhecê-las e surpreender-se com a tecnologia oferecida pelas bicicletas Sundown.

Equipe Rodociclo

Comentários

  1. oi pesso@l

    primeiro gostaria de parabenizá-los pelo blog, que está tão vistoso quanto a loja nova!

    comentanto o assunto das bicicletas nacionais, gostaria de expressar minha satisfação ao ler esta postagem; aposto que muita gente vai se surpreender com alguns dos fatos históricos interessantes aqui relatados!

    dia desses estive em um estabelecimento do ramo (cujo nome prefiro não revelar) e não pude evitar ouvir da boca de um vendedor de bicicleta um monte de asneiras a respeito da pretensa e total supremacia dos quadros de marcas importadas... não quis me meter na concersa, mas fiquei triste pelo cliente, que provavelmente confia naquela empresa e deve estar sendo muito mal orientado neste e em outros assuntos tbém. Quê se vai fazer!

    Para terminar, deixo por escrito o que já falei para alguns de vocês: fazem falta bicicletarias onde os vendedores/mecânicos realmente GOSTEM de bicicleta e realmente PEDALEM!

    Parece que a Rodociclo está no bom caminho, continuem assim!

    Quem sabe tbém não será a 1ª loga de PoA a romper o preconceito e começar a disponibilizar reclinadas?


    forte abraço


    artur


    www.pespracima.blogspot.com

    ______________

    ResponderExcluir

Postar um comentário