Verão, sol, calor... É praia! Aproveite e vá de bike!!!



Esta é a primeira postagem do nosso blog de 2010. Passamos a época de euforia das festas. Tivemos períodos de intenso trabalho e com isso, acabamos reduzindo as postagens do nosso blog e também dando umas férias aos nossos leitores. Mas agora em 2010, pretendemos estar sempre colocando novos textos e assuntos voltados para o mundo das bikes e esperamos que nossos leitores gostem.

E aproveitando que estamos chegando a mais uma temporada de veraneio, vamos abrir as nossas postagens para 2010 justamente falando sobre um dos roteiros favoritos de muitos ciclistas e entusiastas do mundo das bikes no verão: o litoral.

E mesmo para quem está começando a pedalar ou não pratica o esporte com muita frequência, pedalar rumo ao litoral sempre é um roteiro que é lembrado, sendo que é muito comum ouvir relatos de pessoas que em algum momento de suas vidas fizeram esse trajeto. Para alguns, menos acostumados, a lembrança é associada a muito calor, desidratação, grande esforço e certamente um dia inteiro na estrada.

Mas não se preocupe, ir para a praia de bike é uma coisa que pode estar ao alcance de qualquer ciclista, mesmo que seja iniciante no esporte, bastando que para isso ele esteja consciente da sua condição física, tenha alguma experiência andando em estradas e esteja com seus equipamentos em dia.

É muito comum falar com ciclistas que treinam regularmente e descobrir que eles fizeram 120, 150 km em apenas uma manhã e voltaram para casa para curtir o resto do dia com a família como se isso fosse a coisa mais natural. Ciclistas com esse nível costumam treinar regularmente e para eles a prática de longas distâncias se torna uma coisa mais simples, seja pelo preparo físico, seja pela experiência.

Já no caso de ciclistas iniciantes ou que praticam o ciclismo como lazer e de forma mais eventual, percorrer uma distância tão longa, ainda mais nessa época do ano pode ser uma coisa mais complicada. Mesmo assim, se você pedala com uma certa regularidade (uma ou duas vezes na semana) e consegue andar pelo menos 50 ou 60 km sem que isso seja para você um esforço que esgota suas energias, você certamente tem boas chances de sair da Capital e chegar ao litoral sem maiores sustos.

E você, está pensando em ir para a praia no pedal? Caso a sua resposta seja afirmativa, nós vamos ajudá-lo com algumas dicas, que certamente contribuirão para o sucesso da pedalada e para que você chegue bem ao seu destino e consiga aproveitar um pouco mais a viagem.

CICLISTA:

O maior segredo para o sucesso da viagem está em você! Por isso, planeje a sua viagem, procure descansar, se alimentar e hidratar bem na véspera. Uma boa noite de sono o ajudará a estar bem disposto e descansado.

Para a viagem, o segredo está no ritmo. Procure manter um ritmo constante, que não seja nem muito lento e nem exija demais de você. Evite paradas desnecessárias e no caso de ter que parar, aproveite para fazer alongamentos.

ALIMENTAÇÃO:

Você pode melhorar a qualidade da sua viagem, investindo em alimentação e hidratação. Se levar duas caramanholas, o que é altamente recomendável, pode optar por levar isotônico em uma delas e água na outra. Não deixe de se hidratar. Tome água de forma regular. Recomenda-se um gole de água ou isotônico a cada quinze minutos de exercício e não deixar de tomar muito líquido, seja antes ou depois da pedalada. Neste ponto, vale salientar que o uso de mochilas de hidratação é altamente recomendável.

Leve consigo gel energético ou caso prefira, use Maltodextrina, que pode ser uma ótima opção para quem não se adapta bem ao gel. Eles ajudarão a manter a energia, assim e como alimentos sólidos, como biscoitos salgados (sódio) e barras de cereal, que também dão conta da reposição sem pesar. Frutas da época e sucos também sempre são bem-vindos.

Não se esqueça que a perda de líquidos e sais minerais provoca desidratação, perda de desempenho e cãibras. Assim, não torne a sua viagem um sacrifício. Cuide da sua hidratação.

Leia mais sobre dicas para longa distâncias clicando AQUI

A BICICLETA E OS EQUIPAMENTOS:

Uma boa bicicleta do estilo Mountain Bike já permite fazer uma viagem dessas com algum conforto e boa funcionalidade. Pneus slick's ajudam a melhorar seu desempenho e permitem que o ciclista faça menos esforço, tendo um melhor rendimento. Bicicletas híbridas, certamente são uma opção melhor. Possuem um desempenho maior e ao mesmo tempo, são extremamente confortáveis.

A manutenção é fundamental. Esteja com a bike em dia, pneus em condições e componentes (câmbios, freios) regulados. Para a viagem, evite sair carregando peso, como mochila, por exemplo. Escolha um bom bagageiro e leve apenas aquilo que precisará mesmo, para não carregar mais peso do que precisa. Bolsas de selim e pochetes também podem ser bem úteis. Se você pretende viajar e ficar muitos dias, estude mandar seus pertences com mais volume através de amigos que possam ir de carro. Acima de tudo, aproveite para curtir a viagem!

Não esqueça de levar duas caramanholas (ou mesmo uma mochila de hidratação), pois alguns trajetos podem apresentar grandes trechos sem água, como é o caso da nossa Free-Way.

Componentes que são importantes para levar:

Câmara reserva (duas pelo menos)
Espátula (para desmontar pneus)
Bomba
Remendos (caso você fure mais pneus, pode consertar as câmaras e seguir sem problemas)
Canivete de ferramentas compatíveis com a sua bike (chaves allen, de boca, conforme o modelo)

Opcionalmente, mas também importante...

Extrator de corrente (já pensou em como pedalar se a corrente romper???)
Chave de raio (pode ser útil, caso um raio venha a quebrar).

Não esqueça dos itens de segurança: pisca traseiro (instalado em local visível) e farol (caso pedale à noite).

Vestimentas: Em termos de ciclismo, nada substitui o bom e velho uniforme de ciclismo. A camisa, que preferencialmente deve ser de cor clara ou colorida sempre tem bolsos bem úteis e a bermuda permite maior proteção . Não esqueça o protetor solar, pois nessa época o sol e o calor são intensos. Nem precisamos falar do quanto é fundamental o uso de capacete...


Em função do calor, muitos ciclistas preferem se deslocar para o litoral à noite. Caso você prefira viajar nesse horário, esteja equipado com um bom farol e pisca traseiro colocado de forma visível. Use roupas claras e tenha uma conduta cautelosa, não abusando da velocidade, pois assim, você poderá ter maior poder de reação no caso de algum obstáculo.

Independente do trajeto e do horário, recomenda-se que distâncias maiores sejam feitas na companhia de mais ciclistas, especialmente se você está começando. A parceria dos amigos torna a viagem mais segura e agradável.

Especialmente para o litoral, seja de dia ou de noite, evite ir quando o fluxo de movimento é grande, como horários de pico nas sextas à noite. Deixe para ir no outro dia bem cedo!

ROTEIROS:


Independente do roteiro, caso seja possível, fuja dos horários de pico, afina, quanto menos carros dividindo espaço com você melhor. Quem gosta de ir pela RS 040, tem pela frente o bom asfalto e um visual meia bonito, além de mais estrutura para alimentação e paradas, mas a estrada em alguns pontos apresenta trânsito intenso, inclusive de veículos maiores como ônibus, como é o caso dos arredores do centro de Viamão e em muitos trechos, não possui acostamento, sem contar no intenso movimenbo, tanto na ida, como na volta.

Dica: A RS 040, em Capivari do Sul, cruza com a RST 101, que liga essa cidade até Osório. São cerca de 40 km de bom asfalto, que levam ao Parque Eólico de Osório, junto ao final da Free-Way e início da Estrada do Mar. Se for por ali, esqueça tudo o que falamos sobre estradas movimentadas. pois o bom asfalto e o baixo movimento fazem desse trecho um verdadeiro paraíso para quem anda de bike, sem contar que os campos e a bela paisagem que circundam a estrada enchem os olhos e nos remetem à vida no campo!

O final da RS 040 é em Pinhal e lá, só resta Interpraias, que é estreita, movimentada e mal conservada.



Mas a recomendação é que, quem deseja utilizar essa estrada, o faça pedalando em fila indiana, com todos os equipamentos de segurança, em grupos pequenos e fora dos horários de grande movimento. Não esqueça que se for usar essa estrada, ela possui longo trecho sem nenhuma estrutura como postos de gasolina e locais para pegar água e alimentos.

Além dos pedágios, saindo da estrada, você encontra um posto de gasolina sobre o viaduto de Santo Antônio da Patrulha e eventualmente um bar que nem sempre está aberto, que fica escondido fora da estrada, tendo como acesso o viaduto de Glorinha. Recomenda-se não fazer muitas paradas nessa estrada e especialmente em alguns pontos próximos à Porto Alegre, estar atento a questões de assaltos. Esses trechos também são mais movimentados e têm mais quantidade de detritos no acostamento.

Uma boa opção é sair para a Free-way usando o acesso que existe na divisa de Porto Alegre com Cachoeirinha, assim como o retorno à Capital. O acesso pode ser feito facilmente pelas Avenidas Farrapos/Sertório/Assis Brasil, passando por trechos iluminados, bem conservados e mais seguros.

Essas são apenas algumas dicas de forma geral, mas certamente o tempo e a experiência são preponderantes e cada ciclista vai desenvolvendo seus hábitos e comportamento durante as pedaladas mais longas, conforme vai passando por cada situação.

Não importa o quanto você pedala, não importa qual a sua bike, não importa qual o seu ritmo. O importante é que cada um tenha a consciência que o uso da bicicleta, associado a outros hábitos saudáveis e conscientes com relação ao nosso meio ambiente podem melhorar muito a nossa qualidade de vida e nossa saúde. O nosso futuro depende de cada um de nós. Comece você também, vá de bike!


Equipe Rodociclo

Comentários