Tour de France 2011: uma prova marcada pela consagração de heróis e a queda de muitos mitos.




Está acontecendo, desde o dia 02 de julho passado, mais uma edição do Tour de France, que hoje passou por mais uma etapa decisiva. O Tour, conhecido por ser uma das provas individuais mais difíceis da terra, (embora saibamos que o ciclismo não é um esporte individual, pois o trabalho de uma equipe é fundamental para que um ciclista obtenha êxito), neste ano em especial, vem mostrando porque é um dos maiores desafios do planeta em termos de dificuldades, pois testemunhamos a queda de muitos favoritos e a consequente consagração de atletas que mostraram sua garra, perseverança e poder de superação pessoal.

Em um Tour marcado por muitas quedas, abandonos e mau tempo, um nome tem se destacado de forma muito honrosa: Thomas Voeckler, que aos 32 anos e campeão francês de ciclismo, vestiu a camisa amarela por dez etapas consecutivas, mantendo-se na ponta, até ontem, quando perdeu a liderança para Andy Schleck no Alpe D´Huez. Uma liderança conquistada e mantida com a combatividade típica deste ciclista francês, que não apenas neste Tour, mas em outros também, tem se destacado em fugas e méritos individuais, que lhe renderam belas vitórias em etapas.


Esta, sem dúvida, é a mais representativa participação de Voeckler, andando à frente de nomes fortes, como Cadel Evans, irmãos Schleck, Samuel Sanchez, Alberto Contador (atual campeão do Giro D'Itália), Damiano Cunego e Ivan Basso. Ontem, vimos um Voeckler visivelmente cansado, principalmente depois dos últimos ataques de Alberto Contador, que apoiado por Samuel Sanchez, lutou muito ganhar posições e atualmente está em quinto lugar.

Cadel Evans sempre esteve muito forte e veio se mantendo entre os primeiros e junto com os irmãos Schleck, (atuais 2º e 3º colocados, respectivamente), até hoje quando fez o segundo melhor tempo no contra-relógio, atrás apenas de Tony Martin, campeão desta penúltima etapa, realizada na manhã deste sábado.


Alberto Contador, que não vinha demonstrando o mesmo vigor de outros anos, o que é compreensível, pois veio de um desgastante Giro D'Itália, nas últimas etapas de montanha, vinha surpreendendo com fortes ataques, tirando tempo dos seus adversários e do próprio então camisa amarela Voeckler, que em nenhum momento esteve entre os favoritos, embora mereça muitos méritos pela excelente prova que vem fazendo. Contador fez um bom tempo no contra-relógio deste sábado, mas não o bastante para tirar o tempo de Evans e dos irmãos Schleck


Mark Cavendish, um dos maiores, se não o maior sprintista da atualidade, vem dando seu show à parte, vencendo quatro etapas e liderando o ranking por pontos, sendo um dos favoritos amanhã em Paris. Samuel Sanchez lidera a camisa de bolas vermelhas (montanha) e Pierre Rolland a camisa branca (ciclistas mais jovens).

Com um começo conturbado e muitas quedas, nomes como Vinokurov e Bradley Wiggins acabaram abandonando este Tour, que em muitas manchetes, acabou sendo visto como maldito. Mas agora, passadas as piores etapas, os mais bem preparados que resistiram às adversidades das montanhas estão prestes a colher os frutos do seu trabalho.


Cadel Evans, um dos nomes mais fortes do ciclismo mundial, com o resultado deste sábado, é o franco favorito ao título em Paris, já que a próxima e definitiva etapa é uma prova que favorece os sprinters. Depois de alguns resultados não tão bons nos últimos anos, e de ter batido na trave em 2007, atrás de Contador, ao que tudo indica, Evans, hoje com 33 anos, tem tudo para ser coroado campeão em Paris.


Equipe Rodociclo

Comentários