GM ridiculariza ciclistas em campanha publicitária.


Roubamos essa postagem de outro blog, mas esse é um assunto que merece ser debatido, pois reflete um pouco do que é a consciência dos nossos fabricantes de automóveis e a lavagem cerebral que fazem nos seus potenciais clientes.

O blog "praquempedala"publicou uma matéria na qual critica (com muita razão) uma campanha publicitária realizada pela General Motors nos Estados Unidos junto às universidades americanas, onde tenta passar a imagem que andar de bicicleta é uma coisa vergonhosa.

Confira essa postagem clicando aqui

A campanha, que se chama “Reality Sucks” (A Realidade é uma Droga), mostra um ciclista pedalando ao lado de um carro, tampando o rosto, com vergonha de uma garota que está dentro do carro. Logo abaixo vem escrito “Stop Pedaling, Start Driving” (Pare de pedalar, Comece a dirigir).

Já o fabricante de bicicletas Giant deu o troco ao fabricante de carros, lançando a campanha "Reality Does Suck" (A Realidade é uma Droga Mesmo), mostrando a realidade dos engarrafamentos no dia a dia das grandes cidades e vantagens do uso da bicicleta.

Lamentamos por essa cultura, normalmente defendida por muitos segmentos da nossa sociedade, que tentam denegrir a imagem do ciclista e destinar o uso da bicicleta a pessoas desfavorecidas economicamente, que o fazem apenas por necessidade, pelo fato de não poderem comprar o carro. Lamentamos mais ainda a falta de ética de algumas campanhas publicitárias.

Essa imagem, um tanto limitada e simplória, que prega o carro como um símbolo de ostentação e status, em nenhum momento contribui para o bem estar na nossa sociedade, já que, se o comércio de carros movimenta uma parcela significativa da economia, por outro lado, é difícil mensurar a grandeza das consequências negativas do uso desmedido dos carros para a sociedade e para o indivíduo.

A nossa sociedade sempre teve como conceito de sucesso a busca por conforto, por trabalhos "menos braçais", onde o ser humano busca cada vez fazer menos atividades e esforço físico, esses também associados a pessoas "menos favorecidas". Mas como todo o excesso acaba sendo prejudicial em alguma escala, o excesso de conforto tem nos levado a uma população cada vez mais sedentária, obesa e doente, que adoece em meio à poluição e stress dos grandes centros urbanos, presas horas e horas em confortáveis automóveis ao longo de infinitas ruas e avenidas. O tempo da sua vida passa e você continua ali, preso dentro do seu carro, que você trabalha anos a fio para adquirir e é seu sonho de consumo.

Lembre-se de que quando você era criança, pois certamente em algum momento você pensou em ter uma bicicleta. Aquele sonho de infância nunca esteve tão vivo e nunca teve um significado tão grande para a sociedade como tem hoje, que os efeitos colaterais do uso desenfreado do carro mostra cada vez mais seus efeitos.

Não somos contra o uso do carro, pois sabemos o quanto ele é importante quando usado com consciência. Não precisamos falar mal dos fabricantes de carros e nem ridicularizar quem faz seu uso. Respeitamos e compreendemos as diferenças de cada aplicação (carro x bicicleta). Estamos falando apenas de mobilidade, de vencer preconceitos, de simplificar a vida. Pense um pouco, olhe seu mundo e o que lhe é vendido (ou melhor, imposto), de uma forma mais crítica, pois a nossa realidade fala por si. Andar de bicicleta é locomover-se, preservar a saúde, fazer bem para o corpo, economizar e ao mesmo tempo investir no seu maior bem: seu corpo.

Pedale mais, viva melhor!

Equipe Rodociclo.


Comentários