A estrela de Fabian Cancellara volta a brilhar na Strade Bianche.


A Strade Bianche é uma prova ainda desconhecida de muitos, que acontece anualmente na Itália, uma das provas clássicas da abertura da temporada, que reúne alguns dos melhores nomes do ciclismo mundial e também serve de preparação para as Grandes Voltas, além de mostrar quem está em melhor forma no começo da temporada. Também é um prenúncio do que acontecerá nas grandes clássicas, como a Paris Roubaix, conhecida pela dureza do seu percurso.

Esta prova, em especial, que é realizada nos arredores da cidade de Siena, tem como característica percorrer alguns trechos em estrada de terra, o que torna as condições mais duras e coloca realmente à prova os melhores ciclistas.


Cancellara está de volta - Ciclismo


Neste terreno, que é uma de suas especialidades, é que se destacou mais uma vez Fabian Cancellara, ou Spartacus, como é conhecido no ciclismo, que acabou por triunfar na prova, após lançar um forte ataque nos quilômetros finais, deixando para trás nomes como Maxim Iglinsky (Caz) Astana, Oscar Gatto (Ita) Farnese Vini - Selle Italia e Alessandro Ballan (Ita) BMC (segundo, terceiro e quarto colocado, respectivamente). Cadel Evans, atual campeão do Tour de France, esteve presente na prova, porém acabou  não concluindo a mesma, embora saibamos que o foco de Evans, assim como alguns grandes nomes, seja a preparação para as Grandes Voltas que acontecem no meio do ano.

Cadel Evans (BMC)

Cancellara, que já venceu essa prova em 2008 e compete atualmente pela Radiohak (que recentemente se fundiu com a Trek/Leopard, equipe da qual ele e os irmãos Schleck eram integrantes), declarou que as condições dessa prova são muito semelhantes às clássicas Flandres e Parix Roubaix, ambas vencidas pelo atleta em 2010. A temporada de 1011 não foi das melhores para o suíço que sempre esteve entre os primeiros colocados em todas as provas, porém não venceu, tendo inclusive perdido o título de Campeão Mundia de Contra-Relógio para Tony Martin (ficando o Fabian em terceiro).



Além do próprio mérito, o atleta destacou o trabalho de equipe feito por seus colegas, que lançaram ataques durante a prova, enquanto Cancellara permaneceu no pelotão até seu ataque final, na penúltima subida, impondo forte ritmo, que não foi suportado pelos demais, obtendo 42 segundos de vantagem para o segundo colocado. Se mantiver esse desempenho, o atleta promete dar trabalho nas clássicas e ser uma importante peça para a sua equipe nas grandes voltas, especialmente no Tour de France. 




Equipe Rodociclo

Comentários