Tour de France 2013: Christopher Froome mostra toda sua força e está cada vez mais perto do título.



Após a etapa da última sexta, muitos questionamentos foram feitos, pois havia dúvidas se a equipe Sky teria condições de manter a camisa amarela nas mãos de Christopher Froome, mesmo ele tendo mostrado ser o mais forte do pelotão, tanto em escaladas e no contra-relógio. Com a chegada das montanhas, especialmente a etapa de domingo, onde ocorreria a escalada do lendário Mont Ventoux, era grande a expectativa com relação aos seus principais adversários, especialmente Alberto Contador.

A etapa de sábado não trouxe alterações na classificação geral, onde Matteo Trentin venceu após a formação de uma fuga bem sucedida. Fazia três anos que um italiano não vencia uma etapa do Tour de France.




Já no domingo, diante do temido Mont Ventoux, conhecido por sua subida íngreme, fortes ventos e uma paisagem quase lunar, era grande a expectativa sobre o desempenho dos favoritos ao título, pois a chegada se daria no topo da montanha de cerca de 20 km. Essa montanha já integrou outras vezes o trajeto do Tour de France e nela, Tom Simpson perdeu a vida, no Tour de 1967 e foi palco do duelo de Armstrong e Pantani, no Tour de France de 2000, quando os dois ciclistas deixaram todo o pelotão para trás e disputaram a chegada em um belo duelo montanha acima, onde Lance declarou que teria deixado o italiano vencer, causando grande polêmica e revolta na torcida italiana.



Mas o que se viu neste domingo não foi nenhuma disputa acirrada, mas sim um ciclista que dominou a parte final da escalada e, de forma quase que solitária, impôs um forte ritmo que não foi acompanhado nem mesmo pelo espanhol Alberto Contador, que chegou em sexto, com 1 min e 40 seg. de atraso. Estamos falando do atual líder e camisa amarela Christopher Froome, que exibiu toda a sua força em um ataque lançado a cerca de 7 km da chegada e deixou aos poucos todo o pelotão para trás. Apenas Nairo Quintana  da Movistar tentou acompanhar Chris, mas ficou para trás no trecho final. Com isso, a vantagem do camisa amarela foi ampliada para mais de quatro minutos, um tempo muito difícil de ser compensado, a menos que ocorresse alguma fatalidade. No começo dessa postagem temos a imagem do ciclista da Sky na chegada, uma típica imagem de um vencedor! Após o final da etapa, Chris teve que receber oxigênio em função do grande esforço da etapa, mostrando o lado humano de um grande atleta que demonstrou o desempenho de uma máquina montanha acima.


EN - Summary - Stage 15 (Givors > Mont Ventoux) por tourdefrance



E foi quase isso que aconteceu na etapa de ontem, vencida pelo português Rui Costa, quando Alberto Contador lançou sucessivos e arriscados ataques contra Froome, inclusive em trechos de descida. Na tentativa de defender a camisa de líder, Chris respondeu aos ataques e quase se envolveu em um acidente com o espanhol, que sofreu uma queda, obrigando o camisa amarela a sair da pista para evitar o choque. Esse comportamento colocou à prova os nervos do pelotão e dos torcedores, mostrando que a liderança em uma prova de etapas como essa pode ser muito frágil, especialmente considerando os riscos do trajeto e o nível técnico dos adversários.





EN - Summary - Stage 16 (Vaison-la-Romaine > Gap) por tourdefrance

A etapa desta quarta-feira previa mais um contra-relógio, um crono de montanha que apenas serviu para confirmar o favoritismo de Chris Froome, que venceu, obtendo o melhor tempo do dia, seguido de Alberto Contador, que ficou há apenas nove segundos do líder. Com os resultados de hoje, o espanhol assumiu a vice-liderança da prova, ficando na geral há 4 min. 34 seg. de Froome.

Stage profile

A etapa de amanhã, considerada a etapa rainha (principal etapa) prevê a dupla subida do Alpe D'Huez, outra montanha clássica das grandes voltas que já integrou o trajeto do Tour em outros anos. Tratam-se de trechos técnicos, que incluirão também descidas ao lado de grandes penhascos, um trajeto criticado por alguns ciclistas, como o alemão Tony Martin, que a considerou perigosa. Ainda haverão mais duas etapas com montanhas antes da chegada em Paris, uma delas com mais de 204 km. Um duro teste para o futuro campeão. Mas para muitos, "apenas" os alpes separam Froome do título, embora possamos esperar iniciativas mais audaciosas da parte do espanhol Alberto Contador. No entanto, historicamente, uma vantagem tão grande dificilmente pode ser compensada a esta altura da prova.



Paralelamente à disputa pela vitória, o brasileiro Murilo Fischer, único brasileiro da prova, que defende a francesa FDJ continua na prova. Ele deveria ser o apoiador de Nacer Bouhanni, campeão francês que abandonou a prova. Murilo segue na prova, estando na classificação de nº 145, há 02h 37' 40'' do líder. Mas é engrandecedor ver um brasileiro pedalando ao lado de grandes atletas mundiais em uma prova tão importante!




Vamos esperar o desfecho de amanhã, onde o ciclista que terminar o dia em vantagem estará virtualmente com o título nas mãos, embora só possamos dizer que o campeão é aquele que chega em Paris vestindo a camisa amarela. Que vença o melhor!

Equipe Rodociclo.

Comentários