MUNDIAL DE PONFERRADA: BRADLEY WIGGINS É CAMPEÃO MUNDIAL DE CONTRA-RELÓGIO


O a temporada de 2014 não foi das melhores para o campeão do Tour de France de 2012, Bradley Wiggins. Devido aos privilégios dados a Froome, grande estrela da equipe este ano após faturar o Tour de France de 2013, Mr. Wiggins estava relegado a um segundo plano, participando de provas menores. Entre seus grandes feitos este ano, esteve o título nacional de Contra-Relógio e a vitória na geral do Tour da Califórnia. Aos 34 anos, o britânico chegou a cogitar abandonar o ciclismo de estrada e voltar para a pista, que lhe rendeu medalhas olímpicas e lhe deu muita notoriedade antes que se voltasse para a estrada, mudando seu biotipo e forma de pedalar para competir nas grandes voltas, onde demonstrou ser um ciclista promissor, até atingir seu maior feito, o Tour de 2012.

Na prova de hoje, uma das principais do Mundial de ciclismo, onde seria definido o Campeão Mundial de Contra-Relógio na categoria Elite, muitos nomes eram cogitados, mas certamente o grande favorito era Tony Martin, que havia vencido os últimos três mundiais e deu vários shows em outras competições ao longo do ano sempre mostrando-se muito mais forte que os demais competidores da modalidade. Mas para quem conhece e acompanhou a carreira do britânico, Campeão Olímpico de 2012, o resultado obtido por Wiggins não é tão surpreendente assim, embora represente a quebra da hegemonia de um grande campeão, que veio a desbancar Fabian Cancellara, um dos maiores contra-relojistas dos últimos anos, que não esteve presente na prova de hoje. Este ano, Cancellara está focado na prova de estrada do Mundial, um dos poucos títulos que faltam na sua coleção, que inclui vitórias nas maiores Clássicas do ciclismo, além de etapas em grandes voltas, campeonatos mundiais e olímpico de CRI.

Foi neste cenário, andando com média superior aos 50 km/h e finalizando com vantagem de pouco mais de 26 segundos para o alemão, até então favorito, que o britânico assumiu a liderança na metade da prova em diante para então só ampliar sua vantagem sobre Tony Martin, que ficou com a prata, tendo o holandês Tom Dumoulin ficado com o bronze.

Segundo Wiggins, este será seu último mundial, no qual ele se despede de forma muito especial e agora, terá um ano para vestir as cores do arco-íris, que o coroam como campeão do mundo de CRI.



Mas se a Alemanha ficou com a prata na Elite Masculina, a Elite Feminina e a Junior foram ouro. Lennard Kamna (junior), atual campeão europeu na modalidade, fez uma bela apresentação, com média em torno dos 48 km/h e para muitos, é cotado como sucessor de Tony Martin na modalidade. Na elite feminina, Lisa Brennauer também foi ouro. No sub 23, o australiano Campbell Flakemore levou a melhor. Ainda para a Austrália, Macey Stewart venceu a Junior Feminino. No mundial para equipes, quem surpreendeu foi a BMC, deixando para trás as favoritas OmegaPharma-QuickStep e Orica-GreeEdge.




Chamamos a atenção para a roda da marca PRO 3-Spoke, lançada este ano pela marca parceira da Shimano para testes pela equipe Sky durante a Volta da Espenha, que ocorreu mês passado. Foi com ela que Bradley Wiggins venceu o mundial de CRI, a bordo de uma bicicleta da marca Pinarello.

Ainda restam os resultados das provas de estrada. Normalmente, estas provas são muito duras, com uma disputa muito acirrada pelo pódio. Ficamos na expectativa de conhecer o grande Campeão Mundial de Estrada 2014.

Equipe Rodociclo. 

Comentários