MORRO DA BORÚSSA: BIKE ROTEIRO COM O STRAVA!



Faz algum tempo nós trouxemos aqui para nossos leitores uma matéria (confira clicando aqui) sobre o Strava, que assim como outros sites, faz o mapeamento por GPS dos seus pedais (também corridas, caminhadas e outros esportes). Ele permite que se faça uma espécie de "competição virtual" através dos registros dos tempos, velocidade, altimetria, potência e outras informações dos usuários, mesmo que em tempos diferentes, ao passarem por "segmentos" criados por eles próprios. Os desenvolvedores do aplicativo foram pioneiros. Hoje, outras aplicações conseguem fazer coisas semelhantes e até mais específicas, como é o caso da Garmin, que tem um site voltado para os usuários dos seus produtos (Garmin Conect).

 

Falar sobre o Strava tendo como base uma matéria que foi publicada na época em que a discussão sobre este tipo de aplicativo estava em alta e depoimentos de usuários foi uma coisa legal, mas nada melhor que falar com a propriedade de quem faz uso do mesmo. Após comprar um celular com Android, foi o primeiro aplicativo que "baixei". Simples de usar, ele não tem a mesma funcionalidade do site, quando conectado por um computador, mas dá as informações básicas, como detalhes da pedalada, tempo e média geral, potência média e estimativa de queima de calorias, mapa, além dos segmentos que foram percorridos, com a média distinta em cada um e ranking em cada trecho, além de permitir que outros usuários interajam com você, curtam suas atividades e sigam você. 

 




Mais que um site que registra seus pedais, o Strava tornou-se uma rede social que une pessoas adeptas de esportes pelo mundo todo. "Dar Kudos" equivale a "curtir". O "Kom" é o melhor tempo do segmento que você passou. É possível comentar uma atividade e mesmo postar fotos. Para quem faz triathlon, o aplicativo permite alternar corrida e bike, embora o site faça o registro de várias outras modalidades específicas. 

 

Usando o Strava, percebi o quanto pode ser rico, pois permite unir pessoas de vários lugares, mesmo outros países e continentes em prol de um esporte, fazendo com que o conteúdo compartilhado entre os usuários seja bem mais sadio e produtivo que os compartilhados em outras redes sociais convencionais, pois advém da prática de um esporte. Dados como distância e altimetria, além do roteiro, permitem que você pesquise e busque interação a respeito de um trajeto novo que alguém já fez e você também quer fazer. 

 

Desde que comecei a usar o site, estou seguindo vários amigos, atletas de renome e pessoas que nem conheço, alguns destes pedalam a passeio ou mesmo muito mais que vários atletas renomados. Mas isto não importa. Estes também estão lá e tornam a comunidade igualmente rica em experiências. Navegando no perfil de alguns atletas, descobri ninguém menos que Michal Kwiatkowski, atual Campeão Mundial, que recentemente sagrou-se campeão da Amstel Gold Race 2015, uma das grandes clássicas europeias, que ocorreu há poucos dias. E o trajeto da prova, médias e altimetrias estão lá informados, em detalhes. 

A volta do Rio Grande do sul foi outra prova que pôde ser acompanhada nos registros de alguns atletas de renome nacional. Os desafios são uma ferramenta à parte, pois unem centenas de milhares de pessoas ao redor de todo mundo propondo desafios que incluem pedaladas de 100 km, ou metas que podem ultrapassar os 1.000 km mensais. Desafios propondo altimetria também são propostos, para aqueles que gostam de escaladas. Recentemente, um brasileiro estava na disputa pela liderança em um destes desafios, onde tinha ultrapassado os 90 mil metros de subida acumulada em 30 dias.

 

Para você ter ideia, seria como fazer o trajeto da Rota Romântica, entre Porto Alegre e São Francisco de Paula, pela Rota Romântica, passando por com 150 km de serra, oferece cerca de 3.200 metros de subida acumulada. Subir 90.000 metros seria fazer um pedal semelhante, em termos de subida, todos os dias do mês. Nos trechos de montanha, como nos Grand's Tour's, o Strava categoriza as montanhas. Os melhores ciclistas são coroados como "Rei da Montanha" (Kom nesse tipo de trajeto).

Também existem os clubes, que aproximam pessoas de uma mesma região ou modalidade, podendo ser um grupo fechado ou mesmo voltados para o esporte como um todo, como é o Strava Brasil. Já em Canoas temos o Canoas Cycling.


 

Para obter as informações mais precisas, mesmo no modo gratuito, é importante informar seu peso, peso do equipamento, além da idade e batimento cardíaco (FC Máx.), pois estas informações irão compôr os dados de desempenho em Watts (potência) e calorias queimadas, que embora aproximados, são bem úteis.

  
 


Neste mês de abril, aproveitando a chegada do outono, me propus a fazer um roteiro que foi para mim um Audax 200 km, percorrido solo. Um bate-volta ao Morro da Borússia, em Osório, saindo de Canoas, rendeu 202 km e pouco mais de 1.100 metros de altimetria. O legal deste trajeto é que, para quem curte uma longa estrada, são pouco mais de 90 km de ótimo asfalto com acostamento. Em Osório, a paisagem muda e o que antes seria "praia" transforma-se em serra, com trechos de subida que atingem até 13% de inclinação, onde os quase 400 metros acimado nível do mar permitem ver o azul do Atlântico há poucos quilômetros de distância, quando se atinge a rampa de vôo livre.

 
 

Com um pouco de sorte, se pega vento a favor na ida e na volta, ou mesmo contra nos dois sentidos. Em um dia de sol, a paisagem da lagoa é muito bela e acompanha quem por ali pedala. De carro, a paisagem vai rápido demais e nem sempre se percebe a sua beleza. O pedágio é um dos poucos pontos que se tem alimentação e abastecimento sem sair da estrada (Glorinha, mais ou menos no meio da Free-way é outro). Isso obriga a quem se aventura ali a levar suprimento adicional de água e alimento, pois hidratar-se é fundamental.

Além da ótima pedalada, a região é bem servida em termos de paisagens belas, estradas de chão propícias ao Mountain Bike, cachoeiras e restaurantes, que oferecem um pacote completo para um dia inteiro, final de semana ou feriado mais prolongado. 


 

Se você gostou destas dicas, associe-se ao Strava e invista em um equipamento compatível. Existem muitos ciclocomputadores baseados em GPS atualmente. Os mais populares são da linha Garmin. E caso possua um celular compatível, igualmente seja bem vindo à rede. Mesmo sem os benefícios das informações completas em tempo real, você poderá Explore (e se puder pedale) neste trajeto aqui no Rio Grande do Sul ou aventure-se na Clássica Holandesa pelas pernas do Campeão Mundial. Os links estão abaixo.

Vendo o que um profissional pedala (e mesmo muitos amigos meus), vejo que tenho muito a evoluir. Mas sempre dou "Kudos" a todos os amigos e pessoas que sigo, muitos desconhecidos, muitas vezes em pedais curtos, deslocando-se no seu dia-a-dia. Eles engrandecem o esporte, assim como todos os demais ciclistas. Também retribuo aos cumprimentos e declarações de simpatia, pois além de acompanhar o que meus amigos estão fazendo, a amizade destes nos motiva a pedalar, mesmo quando queremos ficar na cama um pouco mais aos domingos!

Connheça o Strava em: www.strava.com

Link do Morro da Borússia
https://www.strava.com/activities/288816673

Link da Clássica Amstel Gold Race por Michal Kwiatkowski (atual Campeão Mundial). 
https://www.strava.com/activities/288648247

Forte abraço e bons pedais!
Equipe Rodociclo!


Comentários