TOUR DE FRANCE 2016: FROOME LIDERA E CHEGA EM PARIS COM A CAMISA AMARELA!



O Tour de France 2016 foi e ainda está sendo, como sempre, uma prova muito emocionante, digna de atletas de alto nível que figuram no palco da prova mais prestigiada do mundo. E também, uma das mais duras. Atuando com o papel principal estavam os favoritos, em um jogo onde os "coadjuvantes", aqui chamados gregários, que não têm seu nome tão prestigiado, mas são igualmente importantes, tendo a missão de levar as estrelas em condições e segurança aos pontos estratégicos onde mostrarão sua força. 

Alberto Contador e Chris Froome eram dois dos principais astros da prova em um mundo de muitas estrelas. O embate destes dois é que gerava mais dúvidas. Vincenzo Nibali, atualmente na 30ª colocação, já chegou ao Tour com sua temporada ganha ao faturar o Giro. E seu resultado atual era esperado, uma vez que dificilmente conseguiria estar em condições de participar no mesmo nível dos outros favoritos após o grande esforço da prova italiana. 

Na Movistar, o regular Alejandro Valverde trabalharia para o forte Nairo Quintana, colombiano que já ganhou o Giro D'Itália. Nomes como Joaquin Rodriguez, Bauke Mollema, Fabio Aru, Roman Kreuziger, Richie Porte, entre outros, poderiam "incomodar". Todos estes figuram entre os promeiros 20 primeiros lugares. 

Mas logo no começo, quedas foram prejudicando Contador que acabou abandonando a prova, para decepção dos seus fãs e também dele mesmo, que tomou essa decisão no meio de uma etapa e abandonou bastante abatido, deixando o caminho livre para seu maior rival Froome.


Mas nem tudo é assim tão previsível no Tour. Mark Cavendish venceu a primeira etapa, enquanto que na segunda, Sagan venceu para vestir a camisa amarela. Nada mal para quem usa a camisa Arco-íris de campeão mundial. Sagan, atual camisa verde, mostra que a suporta "maldição" que cerca o campeão mundial e o impede de vencer ao longo da temporada não o afetou. Foi sua primeira camisa amarela. No terceiro dia foi a vez de Cavendish vencer novamente, igualando a marca de Bernard Hinault, com 28 vitórias na carreira, em uma chegada muito apertada ao lado de Andre Greipel. Na quarta etapa foi a vez de Kittel, que desabou após a chegada devido ao extremo esforço. Antes da terceira vitória de Casvendish, que ocorreu na sexta etapa, a camisa amarela passou pelas mãos de Van Avermaet. 

O primeiro confronto dos favoritos foi na Etapa Rainha, que subiu o duro Tourmalet, onde Froome vestiu a camisa amarela pela primeira vez no Tour, após ser o vencedor do dia, abrindo boa vantagem para Contador, que abandonaria na etapa seguinte após apresentar febre e não ter condições de seguir. As quedas e lesões provenientes de quedas contribuíram com a decisão de abandonar. 


Na décima etapa, uma chegada incomum, com Sagan vencendo no sprint seguido de Froome, que com isso ganhou um bônus e aumentou a vantagem sobre os demais. A décima segunda etapa, que subiria o icônico Mont Ventoux foi "encurtada" devido aos fortes ventos na montanha, que comprometiam a segurança dos competidores. Foi nessa etapa que De Gendt venceu e Froome teve que correr a pé até conseguir uma bike reserva após uma queda muito confusa, onde ele e mais dois atletas foram atingidos por uma motocicleta da televisão.



A 13ª etapa foi vencida por Tom Dumoulin, com Froome em segundo, mantendo a camisa amarela, às vésperas de Cavendish conquistar a quarta vitória (14ª etapa). Na 18ª etapa, mais uma chegada polêmica, com Sagan sendo apontado como vencedor (terceira vitória na prova) no photo-finish. 



As etapas seguintes foram servindo para o Camisa Amarela aumentar sua vantagem até vencer a Cronoescalada da 18ª etapa e se firmar ainda mais como franco-favorito. Desde então Froome, que sofreu com uma dura queda na 19ª etapa, declarou que o Tour só é vencido quando se cruza a linha de chegada da última etapa. 



Neste domingo o esquema de segurança é forte. A chegada em Paris sempre é muito bela e deve ser decidida no Sprint. É o último grande esforço de Froome que tem uma confortável vantagem de 4:05  sobre Romain Bardet (Fra) AG2R La Mondiale. O capitão da Sky já é, virtualmente, o grande campeão. Basta saber agora quem será o grande vencedor do Sprint Final no Champs-Élysées, que terá forte esquema de segurança para garantir que tudo correrá bem na chegada da prova. Se vencer, Froome estrá se consagrando tricampeão da maior prova do ciclismo mundial!

Equipe Rodociclo


Comentários